terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Não há Natais Perfeitos

Não há Natais perfeitos.
Ou porque perdemos alguém e o Natal limita-se a lembrar-nos de forma dolorosa a ausência física de quem partiu, arrancando, sem escrúpulos, nem contemplações a crosta que já se tinha formado sobre a ferida.
Ou porque nunca tivemos Natais felizes e buscamos sempre o Natal que nunca conhecemos e, no final, sentimos sempre uma espécie de vazio por a consoada não ter correspondido aos nossos sonhos.
Não há Natais perfeitos.
Ou porque insistimos em organizar tudo sem mácula e corresponder às expectativas de todos, menos às nossas.
Ou porque nos limitamos a seguir na maré do que é suposto sentir nesta ocasião e culpamo-nos por nunca sentirmos nada do que é suposto sentirmos.
Não há Natais perfeitos.
Ou porque há gritos, choro e nada das pacíficas noites dos cartões postais que habitam no nosso imaginário.
Ou porque há demasiado trabalho e pouco prazer para alguns de nós e muita preguiça para outros tantos.
Ou porque há mais egoísmo do que sentimentos de altruísmo, ou porque há mais stress do que pacíficas ondas de prazer.
Não há Natais perfeitos.
Ou porque exigimos demasiado, ou porque achamos que nada há que exigir e fugimos para praias, em busca do Sol e de tudo o que nos faça esquecer que é Natal na vida dos outros, ou porque isto, ou porque aquilo.
Assistimos às fugas constantes de pessoas que preferem tentar ignorar que é Natal e a outras tantas pessoas que tentam à viva força que durante uma noite tudo seja diferente, só porque é Natal.
É o aniversário de alguém que nasceu há mais de 2000 anos e que transformámos em Pai Natal, presentes, bacalhau e rabanadas, mas não faz mal, não tem de fazer mal, nós é que somos culpados por nos culparmos tanto.
Vamos perdoar-nos acima de tudo. Aquilo que sentimos é apenas aquilo que sentimos, sem grandes leituras, nem dramas.



*O meu desejo para este Natal é apenas um: Alguém que me prepare um Mulled Wine.
É que vi no Jamie Oliver e fiquei com desejos de Natal. Por mim, ficar sentada a assistir à confusão, com uma caneca destas na mão está ok, ok?

9 comentários:

Melissinha disse...

Este é definitivamente o Natal em que adoraria me enfiar dentro de um buraco e sair no 26. Alterno essa sensação com a culpa pela sensação.

Hate this shit.

Fazia-te este mulled wine se não tivesse a certeza de que dá uma caganeira épica.

Melissinha disse...

* É muita pressão sobre o Natal. Muita. Merda para isto. Até a verificação de caracteres é "happy holidays".

No meu caso, é complicadíssimo competir com os natais do passado: os natais da minha infância eram em casas gigantescas, com famílias inteiras reunidas, pouquíssimos presentes e muita brincadeira. Dançávamos e cantávamos muito. Andávamos de casa em casa, comendo qualquer coisinha aqui e acolá. Uma festa enorme com todo mundo vivo, todo mundo saudável e feliz. Estava calor e o dia seguinte era cagativo, ia tudo para a praia curar a comilança.

Morro de pena de o meu filho não ter estes natais (ele tem 1/20 dos primos que eu tinha), mas caramba, tento olhar para o que ele tem que eu não tinha, e não é pouco. Agora fico-me por aqui, porque isto já parece um post no meu blog :) e porque isto merece um post no meu blog.

Vou dormir a ver se passa alguma da neura sazonal.

Ana C. disse...

Fantasmas do Natal passado, fantasmas do Natal presente e do Natal futuro :) Chill e faz-me lá um Mulled Wine, estou preparada para todas as caganeiras, pois que estou oficialmente de FÉRIAS!!!

gralha disse...

Olha, se calhar também não há Natais Imperfeitos. São Natais improvisados, com mais ou menos dedicação. Querido Pai Natal, não tragas nada mas leva a culpa sff.
Beijinhos, ho ho ho! Eu ainda não estou de férias mas, como se nota, estou a trabalhar que é uma doideira.

Ginguba disse...

Feliz Natal, com desejos de que alguém te faça isso do Mulled Wine :)
Beijo

Sandra disse...

Aaaaaah...naturalmente a identificar-me com algumas das descrições...Boas festas!

Ceres disse...

Guarda-me uma caneca de mulled wine, que junto-me a ti a ver o Natal passar ;-)
Boas festas!

Maria João disse...

Ohhh, tenho uma garrafinha de Mulled wine que nem sequer foi aberta! :) Mas Natal é qd um homem quiser! Bom ano.

Naná disse...

Este deve ter sido o meu Natal imperfeito de que mais gostei! Houve parabéns e gente à mesa, na santa paz!

Isso do mulled wine não é mais para as épocas do magusto?!