quinta-feira, 22 de maio de 2014

trabalhar por gosto também cansa

Trabalhar por prazer também cansa, mas é no cansaço que encontro um prazer que andava arredado da minha vida: O gosto de descansar do meu trabalho em vocês.
Filhos chatos, tantas vezes refilões e exigentes, filhos que não me proporcionam folgas, nem fins de semana, filhos que me despertam antes das sete e me têm derreada antes das oito, mas de cheiro doce e sorriso brilhante.
Pudesse eu descansar de todas as fadigas limitando-me a encostar o meu rosto no vosso peito sereno e tudo seria sempre simples para mim.
Levei-te a ver o Concerto da Violleta ao cinema e surpreendi-me ao gostar de partilhar contigo aquele momento de pura cumplicidade. Olhei-te e vi uma menina crescida e sensível, já com gostos de pré adolescente. Deste-me a mão e cantaste as espanholadas todas que te encantam e eu achei-te aquela graça parva que acham todos os pais a coisas que mais ninguém entende.
Levei-te depois a um espetáculo maravilhoso no CCB, cheio de sombras e dança e mais uma vez descansei no teu olhar de pura rendição. Caminhámos de mão dada por Belém e disseste-me que não querias voltar para casa, que se estava bem ali comigo e descansei mais uma vez do trabalho e do resto do mundo apenas por te ter ali e por partilhar contigo o mundo pelos teus olhos de menina.
Quanto a ti, António, estás cada vez mais exigente, cada vez mais crescido e independente, fazes questão de assoar-te sozinho, deixando um terrível rasto de gosma pela cara toda, mas empunhando um sorriso de vitória pela pequena conquista de independência. Gostas de fazer tudo sozinho e de ter os teus momentos a sós, mas sei que ainda precisas de mim, quando te vens deitar ao meu lado no sofá só para me perguntares se está tudo bem comigo. Quando sorris tudo o resto parece assumir relevância pequena e quando me abraças, esqueço-me de como é complicado gerir tudo quando a vida não é só vocês.
Trabalhar por gosto também cansa e tenho andado cansada, demasiado. Mas espero que esse cansaço nunca me retire a capacidade de vos olhar como vocês me olham.

4 comentários:

gralha disse...

Já tinha saudades de te ler assim.

Ana. disse...

Tão lindo.
Faço minhas as palavras da gralha, faço mesmo.

sandra paiva cunha da cruz disse...

Lindo, Lindo, Lindo!!!

Melancia disse...

A última frase é aquela que devemos colar na nossa porta do frigorifico mental, aquele lugar onde estão as informações realmente importantes!