quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Lixo

Apesar de ter conquistado o hábito de colocar algumas coisas que já não uso do lado de fora dos contentores do lixo de alguns bairros mais pobres, e saber que passados cinco minutos já nada ali fica, pois alguém passou e levou.
Apesar de ter alguma noção de que aquilo que já não tem uso para mim terá uso inestimável para alguém, odeio dar trapos aos mais carenciados.
As coisas que dou para a caridade estão sempre estimadas e lavadas. Não sou capaz de enfiar meia dúzia de coisas esburacadas e sujas num saco para dar a alguém.
Não gosto de confundir coisas que merecem o contentor do lixo, com coisas que os outros merecem.
Provavelmente é uma mania parvinha, mas é uma mania que não tenciono combater.

7 comentários:

gralha disse...

Mas isso não é óbvio?

Mais ou menos a propósito, aproveito para dar resposta a todos os enfastiados que tentam dar roupa às igrejas e não conseguem: as igrejas não são caixotes de lixo da caridade que dá jeito ao caridoso. Têm armazéns com espaço limitado e voluntários que dão o seu tempo a esse serviço. Eu também já tive de guardar sacos em minha casa (uma chatice!) até haver quem os pudesse receber e encaminhar.

Naná disse...

Infelizmente há muito quem confunda os dois conceitos...

Ana. disse...

Eu não acho mania parvinha nenhuma. Acho que esse, sim, é o verdadeiro espírito solidário, porque se as coisas já não estão em condições para nós, por que estarão para os outros? Uma coisa é quando as roupas/calçado/seja lá o que for já não nos serve, já não nos fica bem ou já não nos apetece, outra coisa é quando as coisas estão estragadas. Eu dou muita coisa, mas em condições.
;)

Ana C. disse...

Não é assim tão óbvio, há muitas pessoas que ainda pensam em verem-se livres de lixo...

Melissinha disse...

Sou assim e pretendo continuar a ser. Só dou o que eu própria podia usar.

A. F. disse...

Não é mania parvinha, não senhora. É agir como deve ser. É ter um coração grande. :)

nobody listening disse...

e é assim mesmo que se faz. caridade e solidariedade não é fazer dos outros o nosso caixote do lixo ... mas há muita gente que infelizmente faz isso ... tantas