domingo, 28 de fevereiro de 2010

Reflexão sobre este Amor

Apercebi-me com alguma calma e muita nostalgia que nós mães veremos sempre os nossos filhos da mesma forma. Eles são quem segurámos no colo, quem acalmámos nas noites de choro, a quem demos a mão para transmitir segurança num certo momento, a quem cantámos para que adormecessem, com quem conversámos sobre o que os apoquentava, quem beijámos durante o sono noites e noites sem fim. Os nossos filhos serão sempre bebés, crianças, jovens, adultos condensados numa única pessoa. Muitas vezes vamos querer pegar-lhes de novo ao colo e já não poderemos fazê-lo. Outras tantas desejaremos que nos perguntem sobre tudo e sobre nada e eles já não recorrerão a nós para as questões importantes. Mas nós mães permaneceremos aqui de braços prontos para dar colo durante uma vida inteira.
Em oposição a este sentimento imutável, os filhos mudarão sempre os sentimentos em relação a nós. Passaremos de heroínas a chatas. De companheiras que tudo entendem, a adultas que nada percebem. Muitos filhos verão mais tarde os pais como um fardo, pesado demais para carregarem sozinhos, depositando-os numa daquelas antecâmaras da morte mesmo quando teriam condições para não o fazer e nunca lembrarão que aquela pessoa agora tão pesada nas suas vidas, foi quem lhes acalmou as dores nas noites de pranto, quem lhes levou o medo embora com a sua mera presença.
Por tudo isto estou cada vez mais certa que este amor é de facto o mais puro de todos, aquele que nada pede em troca além de um sorriso nos lábios dos filhos e que se conforma mesmo quando é preterido por tantas outras coisas menos importantes.

11 comentários:

Nina disse...

Texto fantástico, como sempre!
O sorriso de um filho opera verdadeiros milagres, de facto, e este amor que uma verdadeira mãe vota a um filho é único, indescritível, generoso.
bji gde

c disse...

Por isso é que temos mais uma oportunidade de ser melhores filhos quando nos tornamos pais... Amor de mãe é, de certeza, o mais puro que pode existir. Que outro amor será tão incondicional, que outro amor suportaria tudo dar sem nunca cobrar?

Precis Almana disse...

O meu amor pela minha mãe tem sido sempre igual, a única coisa que mudou foi ter percebido que a minha mãe podia resolver os meus problemas de criança, mas não pode resolver os de adulta. Mudou tê-la tornado humana depois de parecer a super mãe. De resto, mais nada.

Ginguba disse...

É isso mesmo!!!
Consegues sempre pôr por palavras aquilo que penso...

MARIINHA disse...

Lindo este teu texto Ana C.
Concordo contigo plenamente, o amor de mãe é um amor único. O mais puro de todos. Senão vejamos, a quantidade de pessoas idosas, atiradas para os lares e a continuarem a defender os seus filhos e filhas, com a vida agitada que levam, com o emprego, com o trabalho de casa, com os filhos, com a falta de tempo. E para ali ficam a receber cuidados de pessoas desconhecidas, que acabam por se tornar na sua família.

MARIINHA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
continuando assim... disse...

lindo texto :) e é mesmo assim ...serão sempre os nossos eternos bebés !!


:)bj
teresa

Petra Pink disse...

que texto lindo e verdadeiro Ana.
Pena que nem toda a mãe seja assim.

Cláudia disse...

Correndo de ser acusada de plágio: "pena que nem toda a mãe seja assim".
Comove-me sempre a forma como pensas o amor...mas a verdade é que em relação ao facto de a maior parte das pessoas achar que todos os seua afazeres são mais importantes do que cuidar dos pais, lembro-me sempre das noites que aqueles perderam, das oportunidades que deixaram passar, de tudo aquilo de que prescindiram sem sequer questionarem o motivo porque o faziam: o filho/s!!!

gralha disse...

É mesmo o amor que não pede nada em troca... Mas deixa-me continuar a fantasiar que serei sempre a heroína dos meus filhos, que eles vão falar de mim aos amigos como a mãe fixe mas que os pôs sempre na linha. Vá la...

mãeee disse...

Mais um texto sublime Ana ... mais uma vez o coração a teclar emoções pela ponta dos dedos.
beijos muitos