segunda-feira, 8 de julho de 2013

Engolindo o meu cartão de eleitor

Ainda me lembro de quando fui recensear-me. Acabada de completar 18 anos, toda inchada e convencida de que o meu voto faria toda a diferença do mundo e prometendo a mim própria que nunca deixaria de exercer um direito ainda negado em tantos países do globo.
Mas cresci e comecei a aperceber-me da potencial merda que me surgia no boletim de voto, portanto comecei a exercer o meu direito em branco. Ou seja, dirigia-me às urnas, para que não pesasse em mim a consciência da abstenção de exercício de um privilégio democrático, mas entregava o boletim em branco.
Nas últimas eleições, e agora acreditem que me custa horrores dizê-lo em voz alta sem empreender a tarefa de espetar com o meu crânio na alvenaria, votei cds e fui acometida da sensação mais estranha de todo o meu percurso votante:
A vergonha, o horror e a humilhação.
Mas como posso eu dizer que votei no Portas e na cambada de betinhos imberbes que o seguem, sem ser achincalhada, gozada, vaiada?
Como?
Por tudo isto, está na altura de engolir o meu cartão de eleitor, como fez o outro autarca, quando engoliu um documento numa busca que faziam ao seu gabinete. Está na altura de não correr mais riscos de achincalhamento e humilhação e vontade de arremessar crânio contra paredes, pois para isso já tenho as minhas merdas do costume, não preciso de mais esta.

10 comentários:

a palavra que me definiria aqui. disse...

Eu fui recensear-me com 22, engolindo o meu orgulho de anarca contra o sistema, para poder votar no referendo do aborto. Foi por uma boa causa ;)
Mas confesso que lhe tomei o gosto e tenho votado sempre desde então...

Naná disse...

Ana Cê, deixo-te um link muito elucidativo... não o encares como qualquer forma de escárnio ou achincalhamento... creio que a tua consciência faz bem esse papel, infelizmente...

http://youtu.be/YxAy9T8NltU

Quanto aos manos Portas, sempre fui "seguidora" do Miguel, e nunca do Paulo...

Ana. disse...

Errar é humano!
O que acho é que o Portas se queimou à grande e à francesa, porque como tu estão muitos outros... Ele só vai perceber a grande merda que fez nas próximas eleições!
Agora rezas 100 pai nossos e 500 ave Marias e prometes não tornar!!
Vai em paz, minha ingénua filha!!!

Melissinha disse...

Muda de mano Portas in memoriam, Casaca! Pelo menos podes dizer depois: daquela água não bebi.

(Para mim, votar é dever, é a única arma de que disponho - nem que seja escolher a merda que parece ter menos moscas em cima, nem que seja para depois fazer um mea culpa como tu e como muita gente anda a fazer, ou simplesmente para poder queixar-me. Até morrer, vou achar que quem não vota, não pia).

Melissinha disse...

E quando ao Portas vivo, não sei porquê, mas acho que ele NUNCA sai mal. Aparece sempre como salvador da coisa, seja de que situação.

Naná disse...

Melissinha, penso exactamente da mesma maneira: quem não vota, não tem direito a piar!!

E sim, parece que este Portas aterra sempre bem como os gatos... receio é que ele desta feita tenha estoirado as vidas que lhe restavam...

Ana C. disse...

A mim resta-me apenas um consolo: Quem votou Passos estará certamente a partir mais alvenaria do que eu :)
O meu último fetiche de humor é ouvi-lo discursar:
Ir-me embora? Eu não faria uma coisa dessas aos Portugueses! AHAHAHAHAHAHAHA

Mariah disse...

Desculpa Ana, mas eu de vez em quando venho aqui intrometer-me e hoje não resisti. O que eu me ri com este post e com o comentário da Ana. Enfim, tenta não repetir o mesmo erro para a próxima.
Um beijo

Li disse...

Cada vez mais penso nisto dos votos;
Acho que todos devemos votar, é o nosso dever, mas ultimamente e desiludida até mais não com os políticos, pergunto: O que acontecia, se toooodas, as pessoas fossem votar em branco? Assim como quem diz estamos aqui, viemos votar mas não escolhemos ninguém, são todos iguais!! hum?!

gralha disse...

Obrigada Consulado de Portugal em Newark, que extraviaste o meu registo de eleitora em 2010.