quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Resiliência

Em Engenharia esta palavra é usada para descrever a capacidade de um material sofrer tensão e recuperar o seu estado normal (roubada da Wikypédia claro).
Adaptada à psicologia significa a nossa capacidade de enfrentarmos adversidades sucessivas sem ficarmos disfuncionais. Ou seja, capacidade de adaptação.
Nestes últimos meses cheguei à conclusão que ando a perder a minha resiliência.
Não estou a conseguir voltar à superfície, não tenho oxigénio para permanecer submersa por muito mais tempo.
Bem sei que não são coisas graves e que bem posso levar com a realidade bem mais dura dos outros para me abrir os olhos, mas têm moído, moído, moído até deixarem um buraco bem fundo no meu peito. Daqueles onde a luz parece não chegar.
São noites mal dormidas, conjuntivites de propagação familiar (eu incluída), tosses, ranhos, dentes, viroses, febres, reacções alérgicas. Narinel, Kleenex, soro, aerossol, compressas, gotas nos olhos, no nariz, supositórios, colo, muito colo e eu perdi-me.
Quero ir buscar-me e não consigo.
Hoje estou rouca, dói-me a garganta e custa-me falar, mas não posso estar calada, nunca me escutam à primeira, nem à segunda e sinto-me chata, uma chata rouca.
Hoje sonhei que tinha feito voto de silêncio, como uma Carmelita perdida num convento e gostei da ideia.

9 comentários:

gralha disse...

Há coisas (inclusive legais) que se tomam para ajudar a manter o barco à superfície. Eu já precisei, senão não havia resiliência para ninguém e as mães são as últimas autorizadas a avariar.
Força :)

Madame Pirulitos disse...

E sou apaixonada por esse termo.

O mais engraçado é que agora usa-se como palavra fashion, tal como empowerment, por exemplo.


E sim, a resiliência pode e deve ser trabalhada, treinada. Não é um dom.

Beijo e força.

MARIA MARIQUITAS disse...

Eu vou dizer uma coisa muito estúpida, mas importante para mim:

-Compra brincos.

É estúpido, mas faz-me um bem do caraças. Tu sabes que isso faz um bem do catano à minha resiliência'!?

Mima-te Ana C, e areja que esse povo todo precisa de ti!

Beijinhos

PS- morasses perto e eu ficava-te com eles nem que fosse uma noite para dormires até babares a almofada...

Melissinha disse...

Assino em baixo do que disse a gralha.

MARIINHA disse...

Olá Ana Cê,

Concordo totalmente com o que te disse a gralha. Toma qualquer coisa rapariga, tu estás estoirada.
E como ela te disse, não podes avariar.
Com essas viroses, febres, dentes, etc. Como foi o teu Natal? Espero que tenha sido calmo, ao menos isso. Desejo-te o melhor do Mundo para o Ano Novo que está a chegar.
Beijinhos para vocês

PP_FANTASMA disse...

Eu ia dizer para gritares...mas, se calhar, é melhor esperar que a rouquidão passe :)
Head up high!

Teresa I. disse...

Sim, há outros bem pior do que nós. Há sempre. Mas é para nós e para os nossos que temos a maior responsabilidade, e é para nós e para os nossos que temos que olhar em primeiro lugar. Assim, encara isso com a seriedade que merece e procura apoio (psicólogo, médico de família, avós, amigos...). Fica bem - por ti e pela tua família.

MARIINHA disse...

Olá Ana Cê,

Passei para te desejar um FELIZ ANO NOVO, com tudo de bom para ti e para os teus.

Beijinhos

Ana C. disse...

Meninas obrigada pelas vossas palavras, mas a Anacê não está (ainda) deprimidia apenas muuuuuuuito cansada.
Mariinha, acredites ou não na véspera de Natal o António fez uma recção alérgica ao brufen e às 8 da noite ainda estavamos com ele no hospital. Mas viémos para casa, recebemos mais de 20 pessoas e as crianças tiveram um Natal do caraças ;) Um bom ano para ti também cheio de tudo o que mais precises.
Beijinhos a todos