domingo, 12 de fevereiro de 2012

Didn't We almost have it all


Hoje dei-me conta da quantidade de músicas dela que (ainda) sei de cor. Hoje lembrei-me dos desgostos de amor chorados, dos slows dançados, dos beijos trocados, ao som das suas músicas e da sua maravilhosa voz.
Hoje lembrei aquele primeiro single alegre de uma jovem de calças de ganga e top branco que Just Wanted To Dance With Somebody e chorei um bocadinho, tal como já tinha chorado um bocadinho quando a vi na Oprah, disforme e queimada por anos de abuso e consumo de drogas.
Enfim, um desperdício e um vazio imenso no grupo das grandes divas da banda sonora da minha vida.
Nunca fui grande fã da Celine Dion, nem da Mariah Carey, nem de nenhuma dessas grandes pirosas da música pop, mas a Whitney, meu Deus, a Whitney sempre teve um lugar cativo no meu coração, até porque foi ao som de uma música dela (I Look To You), que passei o dia do nascimento do António, contando as horas para dar entrada no hospital e imaginando como seria o meu filho, dedicando-lhe em silêncio aquela música.

2 comentários:

Ginguba disse...

end ai i ai uil aluais lave ui uuuuuu
uil óluais lave iuuuuuuuuuuu

:D

Melissinha disse...

Tenho pena, era nova, mas era brega como o raio.
Curto a que canta com o George Michael.