quarta-feira, 17 de abril de 2013

...

Vãs as palavras de conforto que te dirigem.
Vãs as penas dos que choram contigo.
Vãos os pensamentos de suposta paz que te transmitem.
Vãs as mãos que te apertam o braço, lembrando o que não consegues sentir.
Vã a medida que julgam saber do que sentes, pois que nada entendem de ti neste momento, nem do que sentes agora.
Vão o mundo que continua a girar apesar de ti.
Vil o sol que te ofende por persistir no seu brilho e o céu por não estar cinzento e chuvoso, refletindo-te.
Penosa a primavera que te afronta, os sorrisos das crianças indiferentes, as vidas que prosseguem com a cadência necessária, para que tudo continue apesar de ti.
Um dia hás de agradecer por tudo isto que continuou, que persistiu, que te mostrou que nada fica imóvel em homenagem a ninguém.
A vida é a maior dádiva e a maior afronta, a maior fonte de respostas e abismos sem solução. A vida é isto de ficares aqui, sem tudo entendido, nem resolvido, mas teres que ficar, completando o ciclo do mundo que se movimenta apesar de ti.

7 comentários:

Melissinha disse...

Escrevi vários parágrafos enormes a comentar isto, Casaca, e apaguei-os um a um, porque é isso mesmo. Não há nada a dizer, só o vazio e o levar com a afronta de a vida continuar, inexorável, a puta.

Ana. disse...

Deixo apenas um suspiro e a determinação de dar boas gargalhadas daqui para a frente. Se pensarmos bem, as nossas gargalhadas haviam de deixar mais feliz que as nossas lágrimas.
;)

Naná disse...

Ainda ontem pensava nisso... o mundo continua a girar, à mesma cadência de sempre, mesmo que queiramos que ele simplesmente se imobilize...

Ana C. disse...

Fernando Pessoa dizia:
"Sem ti, continuará tudo sem ti"

Aninhas, há tempo para tudo e a dor também tem o seu lugar na equação das coisas. É normal que assim seja.

gralha disse...

O sol e os passarinhos podem parecer uma afronta, sim. Mas não deixo de pensar que todos os últimos dias em que já não sorria agora se convertem em serenidade. Já não é duro para ela, ainda que seja duro para quem cá fica.

Ana. disse...

Eu sei que sim, Cê, longe de mim querer retirar ou excomungar o direito que temos de sentir dor pela perda de alguém. Muito pelo contrário. E também não confundo a profundidade e o impacto da dor de e em cada um... Só falo por mim, porque preciso de me forçar a reagir.

Ginguba disse...

É por tudo isso que nestas alturas eu emudeço...

(Acho que este teu post e o comentário da Melissa dizem tudo o que há a dizer sobre quem perde alguém que ama.)