sábado, 5 de dezembro de 2009

São Lágrimas, São Euros, São as Compras de Natal

Já entendi há muitos anos atrás que nesta época natalícia o verdadeiro espírito da coisa desaparece juntamente com o dinheiro na conta.
Também sei por experiência própria que há presentes que me dão gozo procurar, escolher com carinho e comprar e outros que são a verdadeira tortura chinesa, arrancados a ferros e com lágrimas no canto do olho, enquanto se sacam as notas da carteira.
Adoro passar numa rua desconhecida, olhar uma montra ao acaso e ver o presente ideal. Odeio entrar numa loja, olhar para tudo e achar que a pessoa não vai realmente gostar de nada.
Isto tudo porque há quem adore receber presentes com significado e outros que ficam chocados se o significado não envolver uma marca, ou muitos zeros à direita.
Isto do Natal tem muitas contradições...

14 comentários:

Melissinha disse...

Pooooois.
A família do Hugo é a coisa mais difícil do mundo de presentear. Já os meus gajos e gajas são sempre uma alegria - são como eu e a Alice, já ficamos contentes com o pacote.

Ontem tropecei no presente perfeito para o filho da Tatas, é absolutamente perfeito. Se eu tivesse procurado, não teria encontrado de certeza.

E também adoro os presentinhos de última hora, aqueles que encontramos nas feiras natalícias quando já temos tudo comprado mas é tão, tão fofinho que acabamos por meter mais um sicrano na lista.
Andar à cata dos presentes de Natal para mim é o meu maior presente de Natal.

Melissinha disse...

chato chato são aquelas pessoas que medem as prendas pelo valor da prenda que oferecem.
(Temos este problema com alguns dos supracitados...)

Precis Almana disse...

Sabes o que faço com quem meça a prenda pelos zeros à direita? Não dou nada. E quando recebia bolsa, que nem subsídio de Natal tinha, decidi só dar prendas às crianças e aos meus pais e vou continuar assim. Por um lado faço mal porque as crianças são mais que os pais delas :-), mas faço muito bem porque a maioria das crianças gosta de receber o que quer que seja. Decidi há muito que são livros e aos sobrinhos mais próximos, roupa. E delicio-me quando eles gostam, que é a maior parte das vezes.

Kitty disse...

Grávidaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!! Cheguei!!!!!!!!!! :D
Beijos e mais beijos, vou ler o teu blog. Xau!
:D

MARIINHA disse...

Sabes Ana, ainda não comprei nada para ninguém, mas já fiz a lista. Eu não vou para presentes muito caros, mas tento dar uma coisa que sirva a quem a recebe, e que eu goste. Sempre que ofereço alguma coisa, é porque gosto para mim. Mas este ano não estou com muita vontade de andar nos Centros Comerciais. Vou aproveitar para ir da parte da manhã, nos dias de semana, visto que ainda estou em casa.Um beijinho para ti e para a tua família

c disse...

Já há alguns anos que o meu marido sugeriu que começássemos a fazer donativos para instituições em vez de comprar presentes, e depois dávamos os recibos às pessoas no Natal. "Doei este valor em teu nome". Qualquer dia ganho coragem e começo a fazer isto mesmo.

Miguel disse...

A nossa política: presentes só para pais, filhos e irmãos!! Mas isso não diminui a angústia da escolha certa!!

Ana. disse...

O que mais me enerva é comprar sem significado; dar só porque DEVEMOS dar qualquer coisa... Isso é que me custa e dói na carteira!

Mas o melhor do mundo é receber uma coisa que sabemos que foi pensada para nós, em vez de ser tirada de uma prateleira só para completar a lista.

;)

Lia disse...

eu só dou às criança...porque o Natal é delas! E depois ao mano e ao namorado aos pais e sogros e mais nada. Dar só por dar não tem significado e não é para mim!

Daniel Monferrato disse...

É por isso que a minha lista de pessoas a presentear é mesmo muito diminuta...

Eumesma disse...

Olá!!! :-)

Acho que o que interessa na relaidade é comprarmos o que quer que seja pensando se a pessoa vai gostar ou não, pensando no que cada um gosta.
Mas que é um drama ás vezes escolher, lá isso é...

Interessa o valor do euros?? Pois, ru tb gostava que me ofereceesem um automóvel, ou uma viagem...;-)
Concordo com a Precis nisso, se vejo muito "interesse", desinteresso-me eu!!

Bjs e paciência para as comprinhas eheheh

Raquel disse...

Detesto estes dramas natalícios. Já aprendi a comprar alguns presentes em vez de 300 mil, já que as pessoas que importam são felizmente menos que isso e realmente importantes! O Natal tem a ver com o estar juntos, com o abrir presentes e rir com eles, com o dar carinho e lembrar quem conta nas nossas vidas, com o jantar, com as histórias de família que se contam perto da árvore de natal... pessoas que se esqueceram disto não estão na minha lista de presentes, sorry! ;)

Isa disse...

Mas isso não é o Natal...

Eva disse...

Pois eu também adoro comprar os presentes...
Felizmente, penso que nenhuma das pessoas que presenteio olha a marcas ou aos zeros à direita ou, se o fazem, têm a decência de o pensar só com os respectivos botões; mas faço questão de escolher algo que cada um veja que foi comprado para si e acreditem que já tenho conseguido esse efeito sem gastar mais do que 2 ou 3 euros!