sábado, 23 de janeiro de 2010

Book Lovers Never Go To Bed Alone


E de repente uma saudade imensa de quando me perdia horas a fio nas páginas de um livro. De quando passava os dedos pelas capas do Gabriel Garcia Marquez e prometia a mim mesma que leria tudo dele, tal como lera tudo da Isabel Allende.
Também me lembro quando jurei ler tudo que conseguisse ler de Tolstoi e Dostoievsky, cada conto de Tchekov com uma espécie de beatude, de braços abertos para cada mundo, sentindo as diferenças que o simples facto de nascer num certo país imprimia nas letras de quem escrevia.
Não tinha limites, horários, quebras à minha vontade. Era dona de mim e do meu tempo.
Hoje já não procuro nas livrarias os livros mais escondidos, vou aos escaparates, aos últimos lançamentos. Hoje o tempo já não me pertence e tenho que fintá-lo, ganhá-lo, lutar por ele quase com fúria.
Hoje já não me posso perder nas páginas de um livro mais difícil, mais intrincado, pois cedo ao cansaço da rotina. O meu espírito pede qualquer coisa que não mace, que não canse, que não dê luta. O meu espírito é agora um pouco menos meu e mais dos outros e assim me entrego à saudade de quando procurava as páginas mais escondidas nas prateleiras menos visíveis. Assim cedo à saudade de mim.
Apesar de odiar guardar coisas só porque sim, há uma peça de roupa da qual não consigo desfazer-me. Uma velha e gasta camisa de noite, larga e gigante repleta de livros e de letras que dizem:
"Book Lovers Never Go To Bed Alone".
Agarro-me a essa frase com a certeza de que um dia voltarei a resgatar o gosto pela leitura, pela boa leitura.

14 comentários:

Miguel disse...

Sabes que a cama, nos momentos antes de dormir, è hoje o ùnico local onde consigo ler. È um ritual que perdi durante alguns anos mas que recuperei durante o ano que passou. Mesmo que não leia grandes e intrincadas obras literàrias, não deixa de ser importante fazê-lo. E è mesmo bom!

gralha disse...

E poder passar horas perdida numa livraria, a cheirar aquilo tudo?
Mesmo assim, por agora, não me posso queixar, consigo meia horita de leitura todos os dias.

Precis Almana disse...

Eu, que agora passo o dia e parte da noite a ler e/ou a escrever, já me dei por vencida: não estou a conseguir ler. Nada, praticamente nada. Tenho uns 4 livros começados... :-( No tempo livro prefiro não pensar em nada, ou ver TV - simples e sem ter que puxar por neurónios - ou dormir. E isto está com tendência para piorar... :-(
Quanto a ti, claro que vais ter esse prazer de volta! As crianças crescem ;-)

Melissinha disse...

Bem, como já disse várias vezes, dou graças a Deus por ter tirado Literatura, porque me deu a oportunidade de ler coisas boas enquanto tinha cabeça. Desde que comecei a trabalhar em tradução a ritmos alucinados que só consigo ler coisas rápidas (pelas quais tenho todo o respeito do mundo) e releguei a literatura para os contos.
Desde que nasceu o Gabriel, mal leio os livros rápidos. Dá para dizer que os livros amantes de Melissa vão para a cama sozinhos.

mariana disse...

Este texto podia ter sido da minha lavra se eu conseguisse escrever tão bem:tenho tantas saudades de ter o meu tempo, sem concessões a todos os que me rodeiam...Ler até me fartar, sem prazo para refeições ou outros encargos...E aviso : não é o facto de os filhos já serem independentes que nos volta a pôr nos eixos de outrora, há uma atitude que se perde na assistência a tempo inteiro, ficamos vocacionadas para momentos mais ligeiros, sem coragem para enfrentarmos mais do que contos que tenham «vida» curta.
Uma horinha pequenina e um encontro a nunca esquecer com o benjamim da família!

Sara disse...

É mesmo, mesmo isto. É mesmo fintar o tempo. As minhas maiores fintas acontecem dentro de um comboio, entre Braga e Porto. Mas por vezes, também ali, o cansaço pesa.

Ana C. disse...

Ai Miguel com o cansaço crónico que sinto já nem isso consigo fazer, aliás, nem no poleiro! Mas sei que vou voltar ao activo.

Ana C. disse...

gralha nem me fales. Eu já não sei o que é andar perdida numa livraria sozinha, sem pressa.
Nestes últimos meses de prenhice simplesmente estupidifiquei.

Ana C. disse...

Precis isso acontece-te porque estás com grande actividade cerebral e quando páras precisas de descomprimir o miolo. Já eu ando com actividade cerebral ZERO, essa é que é a tristeza...

Ana C. disse...

Melissa eu acho que quando eles forem maiores nós vamos voltar em grande força. Aliás tenho a certeza que a partir dos 40 vou voltar em grande :)
Eu também li muita coisa boa graças a Deus.

Ana C. disse...

mariana muito bem vinda, mas por favor não me digas que quando eles foram mais independentes não nos recuperamos um bocadinho. Tenho que acreditar que sim, que vou voltar a ter um bocadinho de mim...

Ana C. disse...

Sara é mesmo isso, até nos poucos momentos a sós nos faltam as forças para recuperar o tempo perdido...

Sílvia disse...

Vou roubar-te a frase ;)

Cat disse...

Padeço do mesmo mal, agora leio 2 livros por ano um nas férias grandes outro nos restantes 11 meses e e!!
Ando a ler o Crime e Castigo do Dostoievski há meses apesar de ser uma leitura que prende e entusiasma mas há sempre mil afazeres e obrigações e os meus pequenos prazeres têm de ficar suspensos. Também tenho saudades das horas perdidas sem dar conta a ler, a escolher livros na livraria...