sexta-feira, 9 de julho de 2010

Fazer do mau bom e seguir em frente

Tenho amigas que agradecem aos pais terem-lhes mostrado como se ama de verdade, sem condições, horários, nem prazos de validade para esticarem uma mão de ajuda, incondicionalmente.
Tenho amigos que me dizem que tudo devem a quem os criou e lhes deu as directrizes de vida, pois na falta de oráculos-guia, recorrem às memórias do que lhes foi passado pelos seus próprios guardiões, os pais.
Conheço quem queira deitar a cabeça no colo da mãe quando tudo o resto falha aos 40 anos porque foi assim que sempre fez desde menino e é esse abrigo que busca instintivamente.
Depois conheço quem passe a maior parte da vida buscando os seus próprios valores, tacteando apenas com o coração o que será melhor para si, contando apenas com o seu próprio instinto, sabendo por onde não quer ir, por ter percorrido já aquele caminho demasiadas vezes e saber que não é por ali que quer levar os filhos.
Às vezes viver sem estrelas-guia, sem conselhos sábios, sem recordações não é fácil. Mas pode sempre pegar-se na falta de mapas, de bússolas, de rotas traçadas com amor e tentar imprimir pontos cardeais nos filhos. Fazer de tudo para que eles sintam que sempre tiveram um lugar importante e não se limitaram a ser pedras no caminho da felicidade de alguém.
Não repetir os mesmos erros é a chave, mas uma chave que muitas vezes magoa ao ser rodada.

9 comentários:

Melissinha disse...

Qualquer dia conto-te a história do meu pai, que não tem muita gente a agradecer, passou a vida quase toda num internato e tornou-se, mesmo assim, o pai mais generoso, autêntico e carinhoso do planeta.

É possível, sim, dar a volta por cima. E MUITO por cima.

Rita disse...

Fui vitima de abusos físicos por parte de mãe e de abusos sexuais por parte de pai. Tive basicamente uma infancia e adolescencia de merda.

É possível dar a volta por cima. É possível amar incondicionalmente os meus filhos mesmo nunca tendo sentido esse amor pela parte dos meus pais.

É possivel, sim.

Precis Almana disse...

É possível, claro que sim. Imagino que difícil, mas possível. E há pessoas muito generosas e amigas que se atravessam nos nossos caminhos, além de pais (bons ou maus), que podem ser apoios importantes na travessia.

Colibri disse...

Muito bonito. Muito bonito, mesmo.

Colibri disse...

Coloquei este teu post no meu blog, obviamente com a menção da autora. Pq gostei demais. Espero que não te importes.

Ana C. disse...

Melissa qualquer dia quero que contes sim...

Ana C. disse...

Rita tenho a certeza absoluta que tudo aquilo que não tiveste vais dar em dobro aos teus filhotes. Obrigada por partilhares isso aqui...
Beijinho.

Ana C. disse...

Precis isso é verdade, há de facto pessoas boas que se atravessam no nosso caminho e outras tantas que julgavamos boas e que desaparecem.

Ana C. disse...

Colibri muito obrigada :)