sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Eu sei que sou...

Patética, neurótica e de novo patética, mas estou morta de saudades da Alice...
Já brinquei com o António, já passeámos, já dobrei milhares de peças de roupa acumulada até ao tecto, almocei um prato de sopa sem compromisso de ter que cozinhar almoço. Mas quando a casa fica em silêncio, quando olho a sala sem puzzles espalhados, nem folhas amachucadas, sinto uma corrente de ar por dentro.
Já não choro, mas falta-me ela.
Talvez por a minha filhota nunca ter sido daquelas crianças muuuuito chatinhas, que destroi a casa inteira e corre em círculos à volta de uma mesa até cair para o lado isto esteja a ser mais difícil para mim do que para ela...

4 comentários:

Crente disse...

O habituarmo-nos a essas ausências custa. Mas acaba por acontecer. Dá vontade de os ir buscar à escola e trazê-los de novo para ao pé de nós...
É esperar que chegue a hora :)

Crente

Lebasiana disse...

como te entendo! hoje, mais do que nunca! ;)

beijos

Melissinha disse...

não és tu que és patética - quer dizer, és - é a Alice que é fixe :)

gralha disse...

Talvez, talvez :) Mas agora há todo um fim-de-semana para a gozar em pleno. Beijinhos