terça-feira, 21 de setembro de 2010

Não sei se chore, se arrote

Há de facto um jornal supostamente credível que gasta euros a pagar um ordenado a alguém que escreve assim?
Anda uma gaja a sonhar em escrever para uma revista, ou jornal, por muito brega que seja, para dar de caras com isto e perceber que afinal não é preciso saber escrever para ser convidada a escrever para um jornal?
Chamem-me ingénua, mas sempre acalentei no meu espírito pouco maduro a ideia de que os jornais tinham malta que escrevia, que tinha luzes acerca de como conectar ideias com letras e já agora, ideias inspiradas também.
Agora peidos em vez de frases, arrotos em vez de ideias, merda em vez de texto?
Não, obrigada.

6 comentários:

Joanissima disse...

Ela ganha a vida com isto. Isso é que é extraordinario...

anouc disse...

Tal como disse a Joanissima. Tal e qual...

Melissinha disse...

Ó pá e se fosse só ela, engolíamos. E a Maria João Lopo Carvalho, ou algo que o valha? Cada crónica (na Sábado, julgo), cada úlcera.

O que espero é que estejam a perder definitivamente o verbo, para abrir caminho para malta nova.

I. disse...

Não percebo. Gorda das sinapses, é o que ela é. Pessoa mais feia, credo.

Paula disse...

Ela é anormal!!!! Pronto!!!

Naná disse...

Continuo a dizer que alguém convenceu essa sr.ª de que era boa a escrever... mas sinceramente acho-a longe de genial e nem sequer me dou ao trabalho de gastar dinheiro em livros dela...