quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Duas Coisas Que Irritam um Santo dos Altares

Há duas coisas que me irritam solenemente no nosso país. Aliás, duas não, muitas mais. Mas hoje apetece-me ficar irritada com estas duas:
1 - As obras.
Porque raio é que as nossas obras têm sempre o aspecto de um cenário de guerra? Às vezes nem quero acreditar no que os meus olhos apreendem, quando vejo uma fila de pobres utilizadores da carreira (ah ah) à espera do autocarro em cima de uma poça de lama rodeada de calhaus, gruas, amontoados de lixo de obra numa paragem que de paragem só tem uma placa com os números dos autocarros. E eles ali, resignados, pacientes no meio daquele caos de terceiro mundo. Depois fazem, desfazem, voltam a refazer, abrem buracos que nunca mais são fechados, só para os voltarem a abrir dias mais tarde. E assim transformam um local aparentemente inofensivo, numa mixórdia desorganizada e revoltante, que só me lembra a Guerra das Trincheiras.
Nos Estados Unidos temos operários de camisa ao xadrez, óculos escuros, I-Pods nos ouvidos, tudo arrumadinho, aspecto limpo e organizado. Posso estar redondamente enganada, mas eles parecem saber o que estão a fazer.

2 - As esplanadas
com toldos, neons e mesas alusivas às marcas de café, sumol, frutol, laranjol, caracol, cagalhol. Há coisa mais feia numa cidade? Mas custava muito proibir estas alarvidades visuais? Meter os olhos noutras cidades europeias em que as esplanadas se integram na paisagem, com flores, estrados em madeira, mesas e cadeiras discretas?
Custava assim tanto? Pois bem me parecia que não...

24 comentários:

Ginguba disse...

Tudo o que tem a ver com qualidade implica custos e os Portugueses parecem não querer pagar esses custos.Também tem a ver com o sermos coitadinhos...não merecemos melhor!
Também me irrita sim!

Joanissima disse...

Não posso concordar mais.
As obras dão nervos, parece que não têm fim... e o barulho que delas emana é um desespero...
Quanto às esplanadas é deprimente, de facto. E quando se misturam os da Delta com os da Coca-Cola e os da Sagres... que poluição visual...

(e sabes do que eu tenho mesmo saudades? dos teus desafios... eheheheeh... ó pá... those were the days)

Angelik disse...

Bem!
Isso hoje por aí está negro...muito negro... Mas não deixas de ter razão, é que mesmo membros da União Europeia, temos coisas dignas de um terceiro mundismo que não lembra nem ao menino Jesus... "Tadinho!" ;)

Daniel Monferrato disse...

Há cidades que parecem um estaleiro a céu aberto, sem dúvida!

Mas quanto a neons, Albufeira será sem dúvida a capital portuguesa! E que bom aspecto que aquilo tem...

Ps. desculpa não ter andado a comentar, mas tenho lido regularmente. Acontece que o tempo escasseia...

Kitty disse...

O Feng Shui em Portugal anda agreste, qualquer merda fica bem. AHAHAHAHAAH

Maria Manuela disse...

E as obras daquela santa que duram uma eternidade??? Uiiii

E Obras em Dezembro, ali com aquela lama toda e ocirco montado quando a dita podia ter sido feita em Agosto? Uma beleza.


E obras feitas à pressa para os políticos inaugurarem e que no dia a seguir à dita inauguração já andam a ser remendadas?

Uiiiii

bj

Marina disse...

As obras já sabes como é, com as eleições à porta, são uma maratona. Aliás, isto das eleições dá-me um grande jeito, que a presidente da câmara tem-me atendido os pedidos todinhos! ;) As esplanadas, olha, não há nada a fazer, as marcas oferecem os neons e os proprietários agradecem.

MARIINHA disse...

Tenho um sonho há anos, mas não sei se algum dia verei. O Terreiro do Paço, sem carros,nem autocarros, só com pessoas, e sem os Ministérios.Com bons restaurantes, floristas, casas de gelados, lindas esplanadas, livrarias. Tudo com muito bom gosto. Sempre que o tempo estivesse bom, música na rua, principalmente nas noites quentes de Verão. Podermos ver também dança, isso seria obrigatório. E o fundamental, muitas pessoas a apreciar isto tudo, com o Tejo ali ao pé. Haveria praça mais bonita do que esta na Europa?
Quando vejo no estranjeiro praças tão animadas, com bonitas esplanadas, que não chegam nem aos calcanhares da nossa, fico triste. Lembrei-me deste meu sonho para Lisboa, por falares nas esplanadas que existem por aí.

Izzie disse...

Quanto Às esplanadas, nunca me incomodaram=)nunca parei a pensar nisso!! Agora as obras??? ai minha nossa. Este país é um atraso mental mas de que tamanho. para mim, o pais sempre em obras é para tentar dar uma imagem de país em desenvolvimento, em mudança, em inovação. Mas valha me Deus, é tudo fogo de vista

Tesourinhos disse...

Para ser sincera, as esplanadas não me incomodam minimamente. As marcas oferecem, e os proprietátios dos pontos de venda aproveitam. Quanto às obras é de facto uma desgraceira!!

Naná disse...

Ana, eu que trabalho nas obras tenho a dizer o seguinte: estamos longe da cultura dos americanos, mas se formos a ver bem eles fazem construção essencialmente em madeira e nós fazemos com tijolo e cimento, que é muito mais sujo... mas isso não é desculpa, como é óbvio! Como técnica de segurança um dos meus esforços maiores é «organização» de estaleiro, mas é uma mensagem difícil de passar. Ainda temos muito «civismo» que incutir na malta das obras (desde o pedreiro ao eng.º - e acredita que estes últimos às vezes são piores...) Ainda subsiste a lógica tuguista de que as obras têm que ser poeirentas, desarrumadas e tudo ao molhe e fé em Deus. Quanto aos buracos que se abrem 50 vezes, isso acho que é outra característica do tuga: descoordenação! Cada um por si...
Quanto às esplanadas de imagem frenética, tenho ido progressivamente ido optando por aquelas com aspecto mais discreto. Com o passar dos anos fui-me também tornando um pouco alérgica a coisas que ferem a vista. E aí sou completamente contra os outdoors enormes que só estragam a paisagem e são verdadeiros atentados visuais e agressões ao comum cidadão. E o pior é que alguns são pagos do bolso dos contribuintes e isso incomoda-me ainda mais!...

Ana C. disse...

Ginguba os portugueses só não se importam de pagar os custos relacionados com futebol...

Ana C. disse...

Joaníssima as nossas esplanadas são do mais fateloso do planeta. Em qualquer país da Europa onde vás dá prazer andares nas ruas e veres a maneira como eles arranjam os espaços exteriores dos cafés.
Não sabia que andavas a suspirar pelos meus desafios Ah Ah Ah sua grande nostálgica. Mas o que é que posso inventar mais nesta minha fase de aparvalhamento gestacional?

Ana C. disse...

Angelik olha que até tenho andado bem, isto são implicâncias que sempre tive ;)

Ana C. disse...

Daniel então e Quarteira? Essa bela e idílica localidade projectada a pensar no bem estar visual de quem por lá passa...

Ana C. disse...

Kitty eu já nem pedia feng shui, só pedia para não me feng o juízo com tanto mau gosto junto!

Ana C. disse...

Maria Manuela adorei ver outro dia um animalejo político qualquer a inaugurar uma qualquer treta no aeroporto, sendo que depois veio o engenheiro responsável dizer que aquela obra já tinha sido terminada há quase um ano atrás e ninguém lá tinha ido. Ah Ah Ah

Ana C. disse...

Marina se a câmara impusesse regras para as esplanadas havia muito a fazer sim. Eu já nem culpo os proprietários dos cafés, porque como dizes recebem aquilo à borla, mas as Câmaras tinham obrigação de fazer qualquer coisa, quanto mais não fosse em sítios históricos pelo menos.

Ana C. disse...

Mariinha eu já visualizei essa tua imagem vezes e vezes sem conta. Tens toda a razão, é um dos espaços mais mal aproveitados da cidade sim.

Ana C. disse...

Izzie as esplanadas são uma depressão e quanto mais conheço outras cidades mais sinto isso.
As obras são um pesadelo, são a materialização do espírito tuga no seu explendor.

Ana C. disse...

Tesourinhos as esplanadas da Sagres e afins em praças históricas, em locais emblemáticos chocam-me bastante sim. São feias como o raio e as Câmaras tinham o dever de fazer qualquer coisa quanto a isso.

Ana C. disse...

Naná os americanos não constroem só em madeira. É outra mentalidade, outra forma de encarar o trabalho e a organização e ponto final.
Quanto ao resto concordo em absoluto contigo, mas não resisto em fazer-te uma pergunta:
Tu trabalhas nas obras???? Isso é fantástico!!!!!

Naná disse...

É verdade... só não acarto baldes de massa... :p sou a chata da segurança do trabalho e como deves calcular é dos trabalhos mais ingratos, tentar mudar mentalidades... o trabalhador da construção civil ainda funciona na lógica de que os acidentes só acontecem aos outros e que se não tiverem comportamentos de risco são encarados como medricas!...

Tasha disse...

Nao posso com estas obras para eleitor ver! Nao posso com todo este deitar poeira para os olhos, para que quem vota se lembre apenas dos últimos meses de mandato e vote neles porque "fizeram tanta coisa boa por nós"! Nao aguento esta mentalidade pequena de portuguesinho que se é á borla, entao vamos lá encher o estabelecimento comercial de toda a cangalhada publicitária sem ter atencao á agressao que fazem aos olhosde quem passa. Já estamos tao habituados a isto que nem reparamos...