segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Estou Tramada

Nunca acreditei no Pai Natal e, antes de ser mãe, sempre defendi que não se devia dar corda ao mítico velhote nas mentes infantis.
Só que, como a maternidade é feita da arte de deglutir sapos uns atrás dos outros e perante a credulidade fofinha da minha filha, nunca tive coragem de lhe negar a existência do barbudo. E pior, mil vezes pior (e por isto me chibato cem vezes em cada omoplata), o meu tio tem-se mascarado para os putos todos os santos Natais. Vem pela rua com um sino e lá entra cá em casa com um saco com prendas, perante a estupefacção generalizada da criançada.´
Ultimamente a Alice tem-me perguntado se o Pai Natal sabe quem ela é, se ainda se lembra onde mora e se ele adivinha mesmo o que as crianças todas querem. No meio de tantas perguntas começa a custar-me à brava ter que inventar as respostas. Sinto que minto descaradamente. Eu, que tantas vezes lhe digo que não se deve mentir.
Só por causa disso já tratei de lhe dizer que a Fadinha dos Dentes não deixa presentes debaixo da almofada coisa nenhuma. Quem o faz são os pais.
Como é que saio desta sem parecer que a enganei este tempo todo?
É o drama, o horror e vem de trenó puxado por renas.

11 comentários:

Turista disse...

Querida Ana, sabes tão bem como eu que todo o mito se vai desvanecer aos poucos, em conversas de pé-de-orelha com as amigas. Tu ficarás sempre salva! ;)

Ana C. disse...

Turista, deus te oiça, deus te oiça :)
O problema é que as minhas palavras ainda são lei para a Alice. Ela acha que se eu digo, é porque é verdade e vai contrariar os colegas da escola (como já fez), porque eu disse que existia...
Ai se arrependimento matasse ;)

Panda disse...

LOL
eu tive uma mãe que nunca me disse que o Pai Natal existia, eram o pai e a mãe que davam as poucas prendas (normalmente roupa) que aqui a Panda recebia. Não me lembro de ter acreditado no pai natal. Mas gostava...

Sofia disse...

LOOOOL
Deixa lá, n és a única...conheço muita gente a alimentar o "bicho".
Leva-a a ver o Arthur Xmas, parece-me uma boa explicação ;)
Bjs

Melissinha disse...

Bem, eu lembro-me que não me fez puto diferença - desde que as prendas continuassem a pingar - e nasci rainha do drama.
Força, abre o jogo, diz que não é o Pai Natal que traz os presentes. É a Cuca.

gralha disse...

Tu não tens a fantasia dentro de ti. Nunca mais sou tua amiga.

Mad Hattress disse...

Olha, não sou mamã mas posso contar-te que os meus pais nunca me disseram que o Pai Natal não existia. Eu descobri para aí no 2º ano da escola porque ouvi um coleguinha meu a comentar isso com a professora. E não me zanguei com os meus pais porque o Natal continuou a ser mágico com ou sem o barbudo. Mas isto, fui eu.

Carla R. disse...

Como assim, o pai natal não existe ?
Compreendo o que dizes e soube mesmo de um caso em que a criança ficou profundamente magoada quando soube que a mãe a tinha anganado... mas eram franceses, é toda uma outra historia.
Por aqui confesso incentivar a loucura imaginaria levada ao extremo, um bocadinho de alienação familiar não faz mal a ninguém, safa muitas situações complicadas e solidifica os laços familiares. Jogo de cintura na hora da verdade e sais airosa e segura. A Cuca é sempre um bom plano B.

Crente disse...

Quando ela descobrir e te confrontar, faz-te de surpreendida:
"oohhh?! A sério?!" - não acreditas no Pai Natal? Eu acredito.

c disse...

Também estou a viver esse drama, mas com a agravante de a minha cria já ter 7 anos. Ja lhe disse, da última vez que ele me veio com o interrogatório, que pois, que há meninos que já não acreditam no pai natal, mas que é bonito acreditar. Acho que o confundi o bastante até à próxima conversa na escola sobre o tema. Não quero que ele seja o totó entre os colegas, mas também não sei bem como sair desta. Como chegar ao pé dele e dizer, sim, filho, enganei-te estes anos todos, e agora fala baixo e ajuda-me lá a enganar o teu irmão. Caramba, como não pensei nisto antes?

Pirilampo M4gico disse...

Os meus pais nunca me levaram a acreditar no Pai Natal e gosto que o tenham feito, afinal ia viver uma mentira. Nem sei o que faça com a minha filha, porque se do lado da mãe nunca falam do barbudo, do lado do pai existe o mito do barbudo que vai lá a casa no Natal e tudo... Eu por mim não a levava a acreditar porque sou em abono da verdade :) Mas estou mesmo a ver que um dia estarei na tua situação...