quarta-feira, 16 de novembro de 2011

A Nuna Marklina que há em mim

Lembro-me, como se fosse hoje, da nossa primeira aparelhagem a sério. Um trambolho, cheio de tijolos sobrepostos da Pioneer, preta opaca. Com dois decks para as cassetes e um leitor desses mágicos e reluzentes Cd's, que para mim permaneciam um mistério. Para os que tinham uma certa relutância em largar o vinil, tinha ainda um fofinho gira-discos sobre este prédio de som. Por isso eu poderia continuar a ouvir o Born In The USA, do Bruce Springsteen, o vergonhoso álbum do Jason Donovan, o Heaven Is a Place On Earth da Belinda Carlisle e todas as brasileiradas que polulavam na cultura daquele 4ºDtº de um prédio no Lumiar.
As colunas daquela Pioneer, meu Deus, as colunas eram brutais e quando o volume estava no máximo (o que acontecia sempre que me apanhava sozinha em casa), faziam as janelas vibrar, tensas e contidas.
Naquela altura, ao contrário do que sucede hoje em dia, as aparelhagens eram para serem vistas. Quanto maiores, mais estilosas.
Como só tinha Lp's e Singles em vinil e queria, porque queria estrear aquele leitor de cd's, pedi dinheiro à minha mãe e saí em direcção ao Centro Comercial do Lumiar, a fim de comprar o meu primeiro Cd. Tinha uma capa preta e a tromba do meu querido Phil Collins. Foi provavelmente o Cd ao som do qual mais choraminguei, mais slows dancei e mais suspirei.
Depois os Pink Floyd, como é que eu ouvia aquela merda vezes e vezes sem conta? Aquelas músicas que não terminavam nunca (e cuja única parte que eu verdadeiramente curtia era os primeiros 2 minutos), mas que eu tinha que gostar, só porque era cool gostar. Abria as janelas, rodava o volume até ao limite e punha-me ali no parapeito a olhar o infinito e a mandar umas baforadas num cigarro, a curtir o som, armada em boa, só para que as cabeças se virassem para cima, ao som do Whish you Where Here e sorrissem com o meu bom gosto musical...
Olhando para trás, eu também fui o Nuno Markl. É por isso que aquele caixa de óculos, que usa os seus defeitos em seu proveito, tem tanto sucesso com os seus cromos. Há-de haver sempre alguém, como eu, que esteve lá, onde ele esteve :)





15 comentários:

Dorushka disse...

Diz-me só, por favor, imploro-te que o digas, que não achas realmente Pink Floyd uma merda...

Crente disse...

Somos a geração que curtiu os 80s como ninguém ...

Rita disse...

Pois eu, de vez em quando, ainda oiço Pink Floyd na M80 e não resisto a aumentar o som do radio :)

carla disse...

O que eu me revi neste post... apenas duas diferenças, a minha aparelhagem era uma Crown e eu gostava (e gosto) de Pink Floyd.

Também eu sou uma Nuna Marklina.

Ana C. disse...

Como é vos hei-de explicar isto que sinto com os Pink Floyd...
Porque é que Shine On Your Crazy Diamond tem que demorar 10 minutos até começar de facto a letra da música?
Sou demasiado impaciente para isso.
O mesmo com o Light my fire dos Doors. Porque carga de água (ou de LSD) tem que demorar tanto tempo a acabar aquele solo de orgão???

gralha disse...

AHAHAHAH! Nunca tive sequer pretensões de suportar uma música inteira dos Pink Floyd. Esses, os Blur, os Oasis, os Green Day, os Red Hot Chilli Peppers condenaram-me ao ostracismo musical na adolescência.

Dorushka disse...

@Ana C. e gralha,

Eu gosto tanto, tanto de vos ler... mas não gostar de Pink Floyd, para mim, é pecado capital.

Não se faz pá, não se faz!

Melissinha disse...

Eh pá, Pink Floyd é uma merda.

Melissinha disse...

Também detesto Coldplay, U2 e Pearl Jam.

Ana C. disse...

Greenday é outro patamar, tinham as músicas todas iguais, quem ouvia uma, ouvia todas :)
Red Hot têm músicas muito fixes e adoro aquele vocalista.
Pearl Jam é uma paixão antiga. Sempre fui apaixonada pelo Eddie Vedder :)
Agora, Melissa Lyra U2????????
U2?????? Tudo bem, passaram por uma fase menos feliz, quando o Bono andava de óculos à mosca, mas é uma das grandes bandas de todo o sempre.

Melissinha disse...

Acho um porre. Fizeram o Achtung Baby e ficaram-se. Ainda bem que o Bono percebeu isto este ano. Tá, somos só eu, ele e o Hugo a pensar isso, mas sendo um de nós o Bono, é suficiente.

gralha disse...

Esqueci-me de dizer mal dos Pearl Jam, claro. E de Guns n'Roses, já agora.

CarlaB disse...

Revi-me neste post, até na parte de viver no Lumiar e ir ao C C Lumiar.

Ana C. disse...

Melissa e gralha, como passaram vocês pelos anos 90? Com tampões nos ouvidos?

Ana. disse...

Pá verdade, Pink Floyd era música boa para fazer meninos, mai nada! Não há pachorra para tanto instrumental e as letras... bem que farda!
Agora Pearl Jam já é outra coisa...
Deve ser das melhores bandas de sempre!

@Melissinha das 18:02 - você é uma herege e tem opiniões musicais muiiiito estranhas, tá?!!

;)