quinta-feira, 8 de abril de 2010

Meu Querido Corpinho

Hoje é dia de ir vacinar a Alice e o António e não sei se por causa disso, se pelo Hugo estar todo entrevadinho das costas e não se levantar de noite quando o bebé acorda, sinto que cheguei ao meu limite físico. O meu corpinho resistiu a nove meses de gravidez com um gigante no seu interior, 5 dos quais sem dormir mais de duas horas seguidas, uma anemia pós-parto, dois meses e qualquer coisa a acordar de 3 em três horas e durante o dia a ouvir chorar quando paro de abanar a espreguiçadeira.
Tenho momentos em que adormeço mesmo quando estou a falar com alguém e outros em que não sei se estou a sonhar, ou acordada. Entre tudo isto tenho que fazer de conta que estou estou mais ou menos porreira para a Alice continuar a acreditar que estou viva e oiço efectivamente o que ela me diz.
Enfim meu querido corpo, obrigada pelo esforço, aguentaste bastante sim senhora, sem RedBull, sem choques eléctricos que te estimulassem, nada além da cafeína. Agora chegou a hora de cederes, desmaia-te para aí, esconde-te debaixo do tapete, finge que gripaste, mas ir vacinar os dois não que tu não te aguentas.

15 comentários:

Rita Baguinhos disse...

Tive uma depressão pós-parto após o nascimento do meu 4º filho e um dos motivos que me levou a chegar ao fundo do poço foi o facto de ter demorado muito tempo a reconhecer que tinha que parar.

Por isso, abranda o teu ritmo e pede ajuda... coisa que eu sempre neguei e depois arrependi-me tanto...

Beijinhos e força

Crente disse...

Hoje descansa! As vacinas esperam um pouco.

Lia disse...

vacinas com duas crianças? tu tens tudo para te tornar a minha heroina!

Naná disse...

Como sei o que é isso... eu atingi o meu limite do cansaço físico e psicológico na véspera do meu pai falecer... viagens a Lx durante 2 meses para ir visitá-lo a S. José, viagens duas vezes por semana do Algarve a Montemor-o-Novo por questões profissionais, a dormir pouco mais de 4 horas seguidas, porque o Filipe acordava-me em média 2 xs por noite e com a marido a trabalhar sempre de noite, eu é que tinha que levantar-me para o acalmar.
Cheguei a um ponto que só me apetecia chorar convulsivamente do cansaço físico e mental, sentia os neurónios a estourar!
Na véspera do meu pai falecer, chorei durante duas horas e só dizia: não aguento mais!...
Como diz a Rita e bem, às vezes temos que saber quando parar e deixar as necessidades dos demais, para tratarmos de nós mesmas!
Força!

miriam_ferreira disse...

Olá Ana,

Percebes agora, o que queria dizer quando a primeira vez comentei o teu blog ? Que durante mais ou menos 14 meses não sabia como me chamava ou onde morava ? Digamos que é assim uma espécie de Alzheimer antes do tempo.

E que tal uma petição para a criação e uso obrigatório de Valium infantil até aos 12 meses (pelo menos) ?

Força aí !!!!

sofia disse...

Ana, o corpinho é uma coisa muito "engraçada" mas às vezes continua a ser um tolo em vez de se dar ao descanso!
(aposto que conseguiste - parece que se consegue sempre - que o gajo demora a gripar mais do que gostaríamos...)
As melhoras

Poetic GIRL disse...

Engraçado o corpo da mulher adapta-se a tanta coisa, é capaz de uma força extrema. Mas também não é de ferro não é? Talvez esteja na altura de abrandares um bocadinho.... bjs

disse...

Cuidado com as partidas que o nosso corpo às vezes nos prega. É péssimo atingir o limite, porque nem sempre conhecemos as consequências disso. Sei que é inútil dizer-te para abrandar (uma mãe lá pode abrandar) mas tenta descansar.

LaranjaLimão disse...

Já te disse para mandares a Alice apanhar o 18 e levar o irmão com ela às vacinas... o 18 pára mesmo à porta do posto médico.

Precis Almana disse...

Oh pá, e não podes pedir ajuda a algum familiar? Alguma irmã?

MARIINHA disse...

Digo-te o mesmo que já te disseram. Tens de parar, para descansar. Eu sei que tens duas crianças, e que é fácil falar, mas é por ti e por eles. O meu médico explicou-me uma coisa mais ou menos assim. Que quando descansamos acumulamos a energia e se não se dorme, vamos consumindo a energia e não é reposta. Aí acontece o que te deve estar a acontecer. Estás esgotada! Vai ao médico sim? Não tens quem te ajude? Não há por aí uma sogra ou mãe, que dê uma mão, neste caso que dê as duas?
Ana, olha que depois de um parto ficamos debilitadas e mais fracas. E sem descansares. Pensa nisso e trata-te.
Um beijinho.

Este Blogue precisa de um nome disse...

Pede ajuda e se as vacinas não forem tomadas hoje (sei que já é tarde quando escrevo este post) podem ser daqui a uma semana. Descansa, acredita... não queiras dar o tilt :)

beijo e força que ser mãe não é fácil...

gralha disse...

Oh pobrezinha... Espero que o marido melhore depressa para poder dar uma ajuda, que nós somos só humanas e já damos 110% a maior parte dos dias... Força!

Ana C. disse...

Eu tenho realmente muita sorte, chego aqui para baixo e saio para cima. Acho que posso dizer sem exageros que tenho as leitoras/leitores mais queridas da blogosfera.
Lá fui eu às vacinas, porque o centro de saúde tem horários limitados que não são a semana toda e tenho pediatra (também com os 2 nem quero pensar) segunda feira, não dava mesmo para adiar. O Hugo veio de Lisboa para me fazer companhia e quando cheguei a casa consegui dormir duas horas com os meus filhotes na minha cama. Sinto mesmo muita falta de dormir uma noite seguida e vou arranjar forma de negociar isso com o Hugo quando ele melhorar. Muito obrigada pelos vossos testemunhos que me fazem sempre sentir menos só nesta tarefa da maternidade. Beijinhos

Precis Almana disse...

Não sei exactamente qual é o historial do hugo em termos de costas. Se for "só" lombalgia ou cervicalgia, paracetamol e saco de água quente já ajudam bastante. Se for algo mais sério, há outras coisas. Se quiseres, eu tenho "doutoramento" em dores de costas porque tinha a hérnia lombar e tenho uma na cervical, portanto sei muitos truques. As melhores dele e do teu cansaço, espero que consigas dormir mais umas horinhas com essa companhia;-)