quinta-feira, 24 de junho de 2010

A crueza dos dias

Queria muito começar uma série de coisas. Tenho um projecto bem dentro da minha cabeça e não arranjo tempo, nem força anímica para terminá-lo. Entre lavar, dobrar, arrumar, subir e descer escadas para atender o António que faz sestas de 20 minutos durante o dia. Entre a atenção constante que a Alice me pede, as sopas, o jantar e almoço, esgoto-me e é precisamente esgotada que me sinto.
O meu corpo aguenta muito, apesar de as minhas costas já terem conhecido melhores dias, mas a minha mente, essa está frágil, pequenina e regenera-se a ver programas estúpidos na televisão, ou a navegar na internet. É a forma que ela encontrou de não pensar demasiado, de não aprofundar, de não se desviar para dentro de mim...
Sei que as coisas vão mudar e que a força para concretizar chegará inevitavelmente, mas neste momento nada parece conseguir resgatar-me deste marasmo interior, nada.

9 comentários:

I. disse...

Como costumo dizer às minhas colegas que têm prole, ser mãe é profissão a tempo inteiro, o resto é um part-time (e a acumular).
Não te martirizes, fazes o que podes fazer, o resto logo se vê. Não há mulheres super, é mentira muito propalada mas nem por isso passa a ser verdade. Nem tentes. Calminha! Tudo virá a seu tempo. O importante é que estejas descansadinha e de cabeça no lugar :)

Disse disse...

Ana C:

Lembra-te que "é no ócio que a inteligência se afirma". Resta saber, com um pouco de força, transformar o marasmo em ócio. Força aí!

gralha disse...

Pois. Força. Que amanhã seja melhor. Que mais te posso dizer? :)

MARIINHA disse...

Não deves desistir nunca desse projecto. Agora estás numa outra missão, também muito importante. Daqui por mais um tempo será mais fácil organizares a tua vida de outra forma, com o António um pouco mais crescidinho e a Alice na pré primária. Depois força menina Anacê, vá lutar por aquilo que anda a magicar. Vais ver que irás conseguir.

JS disse...

Ana, os dias passam devagar,mas os anos passam a correr e vais ver que daqui a nada já a Alice e o António não se largam e estão super autónomos.

Aos poucos recuperas os teus tempos, mas não desistas de projecto algum!

Um abraço*

Ana C. disse...

Gosto mesmo de vocês. Caramba que tenho sorte em ter-vos por aqui...
Obrigada :)

Cat disse...

Quando os filhos crescem é bom mesmo ter projectos na manga para não nos sentirmos orfãs... por isso é "dar tempo ao tempo". Um abraço

PiXie disse...

Por motivos muito diferentes e circunstâncias completamente opostas, ando a sentir-me assim... por isso não te deixo nenhumas palavras de ânimo (já que essas também se esgotaram em mim nos últimos tempos), mas deixo-te 1 abraço muito forte e 1 bjinho enorme! Desta amiga que nunca te esquece,
Raquel xx

Naná disse...

Ana C., só posso dizer que conseguiste por em palavras concretas os sentimentos que me povoam a mente nestes últimos meses!... às vezes quero por por palavras e não consigo!...
No meu caso, sou arrancada ao marasmo pelo meu pequenote, que foi a razão de eu não resvalar para o marasmo e tristeza após a morte do meu pai...
Tenho alguns projectos, mas não são assim concretos e tangíveis como esse de que falas!
Por isso, agarra-te bem a ele, porque assim que consigas, toca a pôr em prática!
Não te conheço, mas às vezes quando falas de ti, parece-me que falas de mim... e é estranho, mas agradável!