sábado, 4 de maio de 2013

de joelhos

Se há coisa que mexe com o meu nervo ciático é ver os devotos de joelhos em sangue, já quase purulentos a rastejarem pelo chão pedregoso de uma qualquer promessa que pagam.
Joelhos em sangue, ar sofrido e compenetrado na sua via sacra medieval para lugar nenhum.
Odeio.
Porque é que não prometem chicotadas no lombo, roçar as nuas costas sobre uma parede com tinta de areia, beber um copo com azeite, ou comer um cacho de bananas com casca em privado?
Sei que pode parecer duro e insensível da minha parte tratar assim as manifestações de fé dos outros, mas nisto das lesões auto infligidas pelas crenças sou um bocadinho mal disposta, principalmente quando me entram pelos olhos dentro.
Deixo aqui sugestões para paga de promessa, um bocadinho mais no que penso ser o espírito cristão:
Tirar o dia dedicado a foder os próprios joelhos e a mutilar um corpo que deveria ser respeitado, pois que só se tem um e dedica-lo a ajudar alguém necessitado, hein? Olha que bela ideia.

5 comentários:

gralha disse...

Concordo.

Melissinha disse...

Agarravam em dinheirinho e iam comprar comida aos pobres (ou equivalente), joelhos intactos. Mas aí já deve doer mais.

Acho que é no apego ao dinheiro que o espírito se revela, e não na resistência ao auto-flagelo.

Alice disse...

há muito que digo isso. Dar tempo a ajudar os mais necessitados era mais bem entregue. nenhuma mãe gostará de ver sofrer o seu filho. Portanto se os fiéis esfolam joelhos desta forma deveriam perguntar-se se a Mãe de Deus, aquela em que acreditam, gostaria de ver esse tipo de sacrifício.

Não há forma das pessoas entenderem isto, e não podemos fazer nada para que compreendam...

Luísa Livros disse...

Concordo contigo e com os últimos comentários que te deixaram!!! E na prática embora não seja nada ligada á igreja etc, sempre que faço uma espécie de promessa há muito que adotei isso mesmo, fazer uma doação em dinheiro ou em bens! Faz muito mais sentido!!!!;)

Naná disse...

Nos tempos em que era católica praticante já me fazia confusão... é que há gente que arrasta mais que os joelhos, há quem arraste o corpo todo, remando com os braços...
Hoje em dia respeito, mas concordo contigo, prometam ajudar famílias necessitadas! E para mim, o gesto teria ainda mais valor do que apenas ajudar com doações monetárias... para mim, uma boa promessa seria ir trabalhar a dar 100 sopas aos pobres!