terça-feira, 16 de junho de 2009

Homem e Mulher

Anteontem vi uma reportagem sobre uma comunidade cigana que me deixou à beira de um ataque cigano.
Entre outras coisas que agora não importam comentar seguia o casamento de um casal jovem, penso que primos, que estavam prestes a entrar na vida em comum.
O sogro falava de como os homens podiam comer as mulheres todas que quisessem que isso não lhes trazia má fama, mas as mulheres tinham que casar virgens. Ninguém queria uma vadia imprestável. Por isso a noiva era sujeita a um teste de virgindade por uma junta médica na noite da boda. Se não fosse pura não servia para casar. Ora isto, dentro daquela mentalidade e tradição, não me chocou por aí além. A única pergunta que não me abandonava a cabeça era: Mas que raio de junta médica é que se vai prestar a isto?
E então percebi que a tal junta era um bando de mulheres ciganas a salivarem por acção. A esfregarem as mãos quando viram a jovem noiva entrar no barraco.
"carne fresca" - Pensavam. "Ai filha que se não és virgem tás f... connosco"
E tive pena. Uma imensa pena daquela menina que saiu em lágrimas da tal junta médica. Que não conseguia parar de chorar de dor física e provavelmente psicológica. E pensei: Ser cigano é bem mais fácil que ser cigana.
Ser homem ainda é bem mais fácil que ser mulher em tantas, mas tantas partes do mundo...

38 comentários:

Sílvia disse...

Por acaso também vi... E reparaste na cara da dita noiva? Notava-se a léguas que estava tudo menos feliz. E sim meteu-me uma certa confusão ve-la a sair da tal junta médica a chorar. Há coisas que não me cabem na cabeça.
Apesar de tudo também deu pra notar que já há alguns ciganos a quererem mudar, são uma minoria é certo, mas também existem e isso é muito bom. Atenção, não tenho nada contra os ciganos, apenas acho que t~em tradições um bocadinho desajustadas, desadequadas, pra não dizer muito parvas...
Mas, é so uma opinião, não quero ferir susceptibilidades de ninguém...

bJinho****

Miguel disse...

Olha, eu já nem me dou ao trabalho de comentar...

Joanissima disse...

Eu trabalhei com aqueles ciganos da reportagem, pelo menos com alguns deles... As voltas que a vida dá... : ))

(um deles até pediu ao avô, o Sr. Monteiro que apareec na reportagemn, para casar comigo... ahahahahah)

(mas eu já era uma vadia imprestavel naquela altura, não haveria de ser facil...)

Esta é a realidade dos ciganos que a maioria das pessoas conhece e que, concordo em absoluto, é miserável.
A reportagem foi bem feita, sem dramas nem tomadas de defesa. aquela é mesmo a realidade nua e crua.

felizmente as coisas estão a mudar um bocadinho e já nem todas as comunidades praticam aquelas violencias. aqueles são os ciganos puristas, mais conservadores e menos socializados e acredita que eu sei bem do que falo. Foram dois anos diários naquele (outro) acampamento.

Lótus disse...

Não vi, felizmente.
Pobre menina. Não há tradição que justifique a dor e a má memória que provavelmente lhe fica para toda a vida. Que forma torpe de se começar uma sexualidade que se desejaria feliz e prazeirosa.

E sim, cigano ou não, ainda é bem mais fácil ser homem que mulher.

JBrito disse...

No coments sobre culturas...
Mas sim ao rendimento minimo para aquele agregado familiar, não há dinheiro na venda, mas sempre são certos os 3500€ mensais da familia cigana que o estado me tira a mim, jovem trabalhador, que paga casa, carro, infantário e coiso.
A quantidade de comida daquela gente que é pobre!!

Rainha Mãe disse...

Infelizmente é verdade. Aqui e em muitas partes do mundo ainda é mais fácil ser homem do que mulher...

Marcia Parassol disse...

Tem toda razão Ana, eu vi a reportagem e ficou fixo na memória a cara de infelicidade da noiva.
Foi um murro no estômago dela e de quem estava a assistir.
Reparaste a cara de felicidade dos pais, avós, tias, como se aquilo fosse um trofeu.

Beijos.

Ana C. disse...

Sílvia reparei, claro que sim, coitada da rapariga. A reportagem estava muito bem feita, deu para ver os vários lados daquela realidade.

Ana C. disse...

Miguel mesmo quando já nada me choca. Chocou-me ver aquela barbaridade que fizeram com a miúda...

Ana C. disse...

Joaníssima tu sabes muito bem o que é que penso da tua experiência cigana. Só uma coisa me aflora ao pensamento de cada vez que falas nela e mil perdões por não conseguir ser séria:
Tu dançaste à volta da fogueira com o Joaquim Cortez!!!!

Ana C. disse...

Lótus foi bárbaro, primitivo, sádico, tudo o que lhe possas chamar. Odeio tudo o que envolva este tipo de rituais tribais.
Só me apeteceu sujeitar os ciganos homens à prova da virgindade no ânus. Desculpa, mas fervi...

Joanissima disse...

Ana,

melher, tu es de ideias fixas!!! ahahahahahahahahah

(é por isso q te acho tanta graça!!)

Ana C. disse...

JBrito eu só comentei a parte da cultura que envolve tortura sexual. Não há bosta de cultura nenhuma que a justifique. Quanto ao resto é claro que é revoltante, mas também é a cultura do nosso governo lixar sempre quem cumpre com os seus deveres e premiar quem não cumpre. Neste caso porque é politicamente incorrecto não exigir deveres àquela comunidade.

Ana C. disse...

Rainha Mãe menos na Suécia...

Ana C. disse...

Márcia deu-me uma raiva brutal. Só me apetecia entrar por ali adentro e sujeitar todos os homens a uma prova semelhante...

Ana C. disse...

Joaníssima com uma história de novela como a tua, uma mulher que vive de escrever novelas, vibra e não esquece NUNCA ;)

Joanissima disse...

E vamos aqui desmistificar algumas coisas:

- eu não dancei (nem danço) à volta de fogueiras. desde logo pq é perigoso (vai q se me salta uma fagulha... pro ... olho, por exemplo??? es doida???) e depois pq o cheiro a fumo só em morcelas e farinheiras

- eu dancei com um cigano que parecia o Joaquin Cortez. Se fosse mesmo o Quinzito de España, a esta hora te hablaria assi e desde Madrid que há-de ser onde o moço habita... (uuuuiiiiiiiii)

E por email, em privado até te poderei dar mais detalhes dessa historia torrida desde q jures jamais a usar nas tuas novelas televisivas e/ou virtuais...

ahahahahahaha

beijos, lindona!!!

Ana C. disse...

Joaníssima porque é que tens que ser chata? Deixa-me lá pôr-te a dançar à volta da fogueira feita num barril de oleo. Vá lá, não vês que gosto de colorir a realidade?
Quem te diz que não era o Quim de Espanha a tentar encontrar um amor genuíno, longe das luzes da ribalta? E pronto, tenho novela :)

Senhor das Chaves disse...

Ser homem pode ser mais fácil mas, ser mulher é, por vezes, muito mais emocionante :o))

(P.S. Deixei uma referência ao teu post anterior sobre calçado no meu blog) :o)

Tasha disse...

É tudo muito mau e deprimente. MAs eu tive o prazer de ter como vizinhos de baixo, um casalinho jovem, em que ele era cigano e ela nao. Vendiam na Feira de Carcavelos, nao eram casados. Viviam juntos. Eram do mais simpático que há e muitissimo civilizados e cordiais. Nunca tivemos problemas. Já com os vizinhos de cima que nada tinham de ciganos....
Mas sei que estes eram um aexcepcao á regra. Um sinal de que algo parece estar a mudar. Espera-se....

Brisa disse...

O que custa mais é que quem mais magoa a noiva é... um grupo de mulheres! Os homens podem ser desumanos connosco, mas aqui está, mais uma vez, provado que entre nós somos piores! Repara na excisão feminina: quem é que a executa? Outra(s) mulher(es)!

Marshmallow disse...

Realmente temos muita sorte por ter nascido no Ocidente. En alguns países que visitei, as mulheres ainda são muito rebaixadas em relação aos homens. E nas minhas ultimas férias preseniei uma cena algo curiosa: um homem sentado á mesa com as suas duas esposas e dois filhos de cada uma!

Ana C. disse...

Senhor das Chaves neste caso acredita que não foi mais emocionante ;)

Ana C. disse...

Tasha pelo que percebi este grupo era purista, cumpria todas as tradições à risca...

Ana C. disse...

Brisa isso é bem verdade. Cedo se esquecem de que também elas tiveram que passar por aquilo.

Ana C. disse...

Marshmallow nós, mulheres ocidentais não imaginamos a sorte que temos...

Kitty disse...

E até te digo mais, as gajas que não casam virgens são umas porcas ahahahahahahahahahhahaha ronc ronc ahahahahahahahaha ronc ronc...

ergela disse...

Meteu-me pena a cara de sofrimento e tristeza da "noiva", para a nossa mentalidade de estar "prometida(o)" aos 12 anos é desumano, mas tradições são tradições, só que também julgo que a ciganada orgulha-se de só ter direitos e nunca deveres, felizmente já há uma pequeníssima precentagem que não só, não haje assim, como tenta mudar as coisas,parece que finalmente as coisas estão decisivamente a mudar dentro desta comunidade.

:) Beijos.

HannaH Sophia disse...

custa acreditar...se ja custa aceitar outras mentalidade e culturas diferentes da nossa, qnto mais quando as vemos a ser desumanas...

Maria Manuela disse...

Bem vinda ao meu mundo, sim !!!

:)

Hyndra disse...

É verdade. E há ainda o pormenor de que quando uma mulher fica viuva, rapam-lhe o cabelo que colocam dentro do caixão do marido. E a mulher tem que usar roupa preta o resto da vida e nao pode voltar a casar (nao estou a inventar. Foi um cigano que contou isto numa conferência a que assisti acerca desta etnia).

Ana C. disse...

Kitty tu controla-te mulher!!!!!

Ana C. disse...

ergela meteu-me muita pena também. Eu acho que tradições são tradições, mas em certos países também é tradição mutilar mulheres para elas não terem prazer e isso é uma tradição intolerável...
Quanto ao resto cá espero para ver se a comunidade evolui mesmo, ou não, mas acho difícil...

Ana C. disse...

Hannah é desumano sim. Tudo o que seja desumano passa a barreira da tradição e fica indesculpável...

Ana C. disse...

Maria Manuela és cigana????

Ana C. disse...

Hyndra eu sei que não estás a inventar, eu vejo-as vestidas de preto...

Maria Manuela disse...

Sou cigana, sou... Não mulher, só lido com eles!!!

e tu já tinhas o e-mail aqui no blogue, não ???

joana disse...

Pensei o mesmo ao ver essa reportagem.Mas pior,não sei se reparou, quem liderava a junta médica era a avó dos noivos(avó comum devido ao facto de serem primos direitos).