sexta-feira, 26 de junho de 2009

No Matter if You're Black Or White

Sempre achei a letra desta música bastante irónica vinda de um homem que ao longo da sua carreira passou pela estranha mutação de negro a branco.
Apesar do grande número de músicas que serviram de pano de fundo aos mais variados acontecimentos na minha vida, nunca fui grande fã dele e do seu bizarro mundo infantil chamado Neverland.
Daí ter estranhado a minha reacção quando a meio da noite o Hugo me acorda só para me dizer que o Michael Jackson tinha morrido.
- Acordas-me só por causa disso? Tu sabes como me custa voltar a adormecer! Espera lá, o quê? O Michael Jackson My Fucki'n White Negro????
- Sim, a sério!
E ali fiquei eu aparvalhada por dentro, a remoer, a remoer, a remoer e a entoar por dentro todas as músicas do homem.
Passei a noite inteira a cantarolar inconscientemente Michael Jackson e a surpreender-me com a quantidade de letras que sabia de cor e salteado, mesmo sem ser de todo sua fã.
Há pessoas que, mesmo sem nos apercebermos estão lá, na parte detrás dos nossos dias e memórias e lá ficarão para sempre, apesar de tudo...

13 comentários:

Ana. disse...

Com um enorme pedido de desculpas pela minha (evidente) falta de sensibilidade cá vai:

É coisinha que não me aquece nem me arrefece.
Só tenho pena dos filhos dele, que são pequeninos.

Sim, eu sei. Sou má!!

;)

Ana C. disse...

Ana. o estranho nisto tudo é que eu também pensava que não me aquecia nem me arrefecia, principalmente depois desta pausa artística do men em que ele se refugiou lá no Rancho Neverland com as suas crianças amigas. Mas não é que me deixou chocada? Se calhar é das hormonas...

Melissinha disse...

Eu estou triste. O legado que ele nos deixa em canções, coreografias e vídeos fabulosos (descobri que 30 anos depois ainda tenho medo do Thriller) é incomparável para quem está na casa dos 30, 40.

O resto é para encher tablóides. Para mim, será sempre o génio que desafiou a gravidade deslizando para trás.

(Fora o I Want You Back dos Jackson 5, tema da festa de casamento desta yours truly.)

Ana. disse...

Pois, não sei que te diga.
Nunca fui fã.
Sempre o encarei como uma alma atormentada que não sabia bem o que cá andava a fazer - não discutindo naturalmente o talento que tinha para a música pop, reconheço que deixa um legado importante, como disse a Melissinha - mas não consigo sentir pena, tristeza ou qualquer outro sentimento.

Também deve ser das hormonas, que ao contrário das tuas, andam controladíssimas!!

;)

PP_FANTASMA disse...

Curioso! Tenho um album dele, comprado na adolescência, o "Bad". Foi sol de pouca dura, em termos de gosto. Foi o impulso, à época, e ainda a fraca definição de gosto músical.
Nos últimos anos, passou-me ao lado.
Mas enfim, é um icon.
E concordo, a sensação é estranha. Porque parece que ele esteve sempre lá, mesmo que não pelas melhores razões.

inesn disse...

o homem era brilhante no que respeita à música...no matter what!

Ana C. disse...

PP Fantasma eu nunca comprei sequer nenhum álbum dele... Acho que o choque maior é no fundo por ter sido tão súbito.

Ana C. disse...

InêsN sim, no que respeita à música sim, sem dúvida ;)

Izzie disse...

Também eu, tal como tu, nunca fui fã.
Mas agora, com a sua morte, é como se um bocadinho da minha infância levasse uma facada...
Afinal, mesmo sem se apreciar particularmente, é um icone, uma referência dos anos 80.

HannaH Sophia disse...

Ana C. ...disseste tudo... (a unica diferença é k apesar de bizarro, eu compreendo a sua neverland)

AnaM. disse...

Eu não fiquei propriamente chocada mas também dei por mim a cantarolar umas quantas músicas dele :) Acho que nem tinha a noção de conhecer tantas! Beijo*

Precis Almana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Precis Almana disse...

Não acho que seja das hormonas.
Hoje a minha aula de hidroginástica acabou com uma música dele. Quase me vieram as lágrimas aos olhos... Assim como senti um nó na garganta quando vi uns fãs cantarem o Billy Jean algures aí pelo mundo... (e ontem não vi notícias, senão acho que chorava baba e ranho :-)) . Ele fez parte da minha adolescência e é um ícone, sem dúvida. E faz impressão desaparecer de repente e sem ser de velho.