terça-feira, 23 de junho de 2009

A Tranquilidade da Idade



Antigamente quando viajava tirava milhões de fotografias e trazia não sei quantas lembranças, pois sabia que quando chegasse a casa viajaria tudo de novo quando mandasse revelar as imagens, ou andasse com as t-shirts do sítio.
Hoje em dia, deve ser da idade, preocupo-me muito pouco com o registo dos momentos e com a compra de recordações. Parece que me tira tempo para olhar com olhos de ver.
Gosto de me sentar numa esplanada, nos degraus de um qualquer local público e ver, sem obrigação de fotografar cada instante, de captar cada segundo da minha estadia naquele país.
A máquina é uma tremenda obrigação que nos impede de relaxar e absorver com os nossos próprios sentidos.
Não quero com isto dizer que não tiro fotografias, pois tiro muitas, mas já não com o mesmo prazer.
O mesmo se passa com as lojas. Posso entrar em muitas lojas, mas raramente trago alguma coisa para mim. Prefiro poupar o dinheiro para um jantar a dois num restaurante melhor.
Nesta viagem a Estocolmo a única coisa que comprei para mim foi esta placa que exibo com orgulho na parede da cozinha. Quando a vi pensei: Vou levá-la à minha mãe, mas depois caí em mim. Esperem lá, eu também já sou mãe. Posso oferecer-me este tipo de piadas caseiras.
E aqui me têm prestes a fazer 34 anos e cheia de uma maneira diferente de encarar as coisas. Isto da idade dá-nos realmente outra visão do mundo e dos outros. Nem sempre melhor, mas seguramente mais descontraída.

26 comentários:

Kelle disse...

Espectacular essa placa! A minha mãe devia MESMO ter uma dessas :) Se um dia for a Estocolmo vais-me dizer onde a compraste :D

Brisa disse...

Também quero uma plaquinha dessas, para a MINHA casa (a minha mãe não merece, é um doce! :)

HannaH Sophia disse...

eu quero uma placa dessas um dia:)))

Clementine Tangerina disse...

Ainda nao me consigo desligar da maquina fotografica, confesso que sou completamente viciada!

socasmoinhosebicicletas disse...

É bem verdade que a idade nos dá outra serenidade na perspectiva que temos de tudo. No aspecto que referes, eu ainda não estou lá: sinto uma enorme necessidade de imortalizar o momento com umas flashadas, sempre que visito lugares novos, o que, tal como dizes, subtrai o tempo que tenho para absorver o que de melhor esses sítios nos dão.

Only Words disse...

As experiências de vida vão-nos aguçando os sentidos e fazendo-nos estar mais atentos ao que realmente nos importa ;)

Miguel disse...

Chama-se a isso priveligiar o essencial face ao acessório. Eu também começo a aperceber-me desse facto em muitoas aspectos da minha vida.
;)

Kitty disse...

Eu gosto de guardar as fotografias todas na minha cabeça, claro que fotos reais tiro sempre algumas, mas à aquelas que só os meus olhos mesmo fotografaram, e essas ficam todas eternamente comigo.

Já agora, adorei a placa, um dia vou comprar uma dessas para colocar na porta da rua :D

ML disse...

Eu confesso que sou muito viciada na máquina fotográfica. Isto porque não quero deixar de me lembrar de certos momentos...e as fotografias ajudam.

Ahahah, essa placa está demais ;)

AnaM. disse...

A placa está um máximo ;) E acredito que a idade nos faça isso mesmo.. Beijo

Ana C. disse...

Kelle lamento, mas era a última AH AH AH :)

Ana C. disse...

Brisa podes sempre mandar fazer uma matrícula de carro com este dzer ;)

Ana C. disse...

Hannah és cá das minhas :)

Ana C. disse...

Cementine mas acaba por ser uma prisão, não achas?

Ana C. disse...

Socas o meu mais que tudo não deixa faltar as flashadas e refila comigo quando não estou a flashar. Nós tiramos fotografias sim, mas a minha vontade é que é cada vez menor...

Ana C. disse...

Only Words é bem verdade. Tenho aprendido a valorizar os meus sentidos em detrimento da objectiva e tenho visto coisas que não veria pelo olhar da máquina...

Ana C. disse...

Miguel as fotografias são apenas um pequeno aspecto de toda esta mudança de prioridades...

Ana C. disse...

Kitty as melhores imagens são as que guardamos na memória sim. As fotos são apenas auxilares de memória...
Quanto à placa, também podes mandar fazer um tapete para pores à entrada da rua :)

Ana C. disse...

ML eu também adoro poder rever mais tarde as fotografias todas que tirei e lembrar-me de tudo. Mas o que é que queres, cada vez me dá mais preguiça de tirar fotografias...

Ana C. disse...

Ana M eu adoro estas placas com frases significativas ;)

Kelle disse...

Ana C., a propósito de fotografias, eu tb sou daquelas que anda por aí de 450D na mão :)
Se quiseres fazer uma visita:
http://366moments.blogspot.com/ - um blog já extinto, durou o ano de 2008 todo e o conceito era uma foto por dia, um projecto meu e de um amigo.
http://doze-e-picos.blogspot.com/ - o nosso projecto deste ano, ao qual se juntou outra amiga. O conceito é um tema por mês e fotografar até apetecer!

Maria Manuela disse...

A loja tem mesmo um ar de quem entra e se perde.

:)

Ana M. disse...

Posso vir aqui mais vezes? é que quero vir aqui mais vezes, e acho que posso mas não quero abusar.

Adorei a placa para a cozinha, e como vi/li alguns posts tambem vi a reportagem dos ciganos e também fiquei chocada com o que descreveu e deu-me uma pena da cigana/noiva tinha uma carinha de infeliz é tão bom sermos livres e é tão mau não dar o devido valor a tal facto na grande maioria das vezes.

Ana C. disse...

Maria Manuela nem mais. Pena estar quase tudo escrito em sueco :)

Ana C. disse...

Ana M, mas por quem és. Aqui não é preciso bater à porta para entrar ;)

Marshmallow disse...

O que vale o télélé hoje em dia já tira fotos o que é muito útil pois raramente levo máquina comigo.
E também já deixei de trazer "recordações" de todo o lado. Prefiro gastar a passear.
E claro cá em casa a regra é a mesma :D