sábado, 19 de setembro de 2009

Impossíveis de Esquecer



Que saudades de abrir a capa maleável dos meus livros de infância em busca dos fiéis companheiros de horas livres. A emoção de iniciar cada história, como se também eu fizesse parte das letras, as viagens que fiz juntamente com eles, o frio no estômago de cada vez que corriam perigo, o desejo apaixonado de ter um cão como o Tim que me salvasse sempre que estivesse em apuros.
As lágrimas pelas histórias tristes de burros mal tratados, de meninos orfãos. A raiva pelo mimo de Sofia nos seus atribulados desastres.
Olhando para trás, se tivesse que enumerar alguns dos melhores momentos da minha meninice, no topo da lista estariam certamente, as horas que passei com eles.
Hoje em dia vejo jovens a bufarem ante a perspectiva de livros tão simples e geniais como os Maias e pergunto-me se na meninice deles alguma vez terão começado pelos livros certos...

13 comentários:

Kelle disse...

"Os Maias" foi o livro que mais prazer me deu ler, adorei tanto que um dia hei-de voltar a lê-lo (quando terminar a pilha de livros que ainda tenho por ler)

MARIINHA disse...

Ana,li esses dois que aí mostras. Mas da colecção dos "Cinco", li todos, e mais, que uma vez. Vivia as suas aventuras como se tivesse lá com eles. E numa fase da minha vida, dos 8-11 anos, vivi numa quinta, e tentei reproduzir dentro do possível, as histórias deles.
Que saudades! Não sei, se dos momentos em que os lia, se das nossas aventuras,(minhas e dos meus primos).Se de ambas! Histórias verdadeiras, que hoje conto aos meus netos! Fiquei com muitas saudades. Espero que estejas bem, há uns dias que não venho aqui, por falta de tempo.Bjks

Ceres disse...

Que saudades dos cinco e da Condessa de Ségur ;-))
Foram também meus companheiros durante muitas horas!

E não posso esquecer as colecções "Uma Aventura" e "Viagens no Tempo" da Ana Maria Magalhães e da Isabel Alçada!

Chocolate disse...

Olá não me posso queixar as minhas kikas gostam de ler e já começam a gostar das aventuras.

Espero que não mudem!

:)

Beijocas

Ginguba disse...

Impossíveis de esquecer para mim também! Guardo ainda a minha colecção toda dos cinco que depois passou pelas mãos da minha filhota!
Fazíamos mesmo parte da aventura...eu achava o máximo a Zé maria-rapaz!

Only Words disse...

Tocaste no ponto certo, que é o habito de cultivar a leitura nos mais novos, mas com livros de qualidade e adequados à sua idade. :)

Naná disse...

Bem, rebuscaste bem no baú de memórias da minha infância: o primeiro livro que alguma vez li foi os Desastres de Sofia, mas o meu era de capa dura que a minha mãe me comprou no Círculo de Leitores. Nunca mais me esquecerei do episódio dos frutos cristalizados... eu acho que tinha mais medo dos castigos do que a Sofia... Melhor que isso sóp mesmo os livrinhos da colecção Formiguinha, que tinham sempre uma moral da história!

Precis Almana disse...

Pois...
Eu li tanto em miúda e lembro-me de devorar os cinco e me imaginar a comer éclairs a torto e a direito :-)
Olha, restaurantes vegetarianos que acho que irias gostar: Terra, ao Príncipe Real, ou Jardim dos Sentidos ao pé da Praça da Alegria. Ambos em Lisboa. O primeiro com buffet sempre, o segundo só à hora do almoço. Ambos com pratos cozinhados, portanto podes comer estando grávida ;-)

Maria disse...

Li tantos dos "cinco", e os "uma aventura em".. E que saudades..:)

ergela disse...

Ó pázinha! Os Cinco; os Sete foram os meus primeiros livros, por tua culpa "tenho uma lágrima ao canto do olho", ainda tenho empacotada toda a série de livros, chegava a "desviar" dinheiro à minha mãe para comprar os livros.

Obrigada pela lembrança.

:)Beijos.

made in ♥ love disse...

Nao me lembrava de ter lido os "Desastres de Sofia" da Condessa de Ségur, mas assim que meti os lhos na capa veio-me á memoria a magnifica historia!!! Vou ter de re-ler... que saudades também dos 5 que em conjunto com os livros "uma aventura" me despertaram o gosto pela leitura...


Um beijinho
Eduarda
made in ♥ love

Tasha disse...

Nostalgia,minha querida, nostalgia...

Eva disse...

Desde que me lembro que sempre li compulsivamente,lia e relia, os da Anita quando ainda nem sabia ler e contava as histórias a quem me quisesse (ou tivesse que...!!) ouvir, os Cinco, os Sete, o Colégio da 4 Torres, as Gémeas, a Patrícia, mais tarde os Contos Populares Portugueses, Júlio Dinis,Aquilino,Fernando Namora,Eça, Vítor Hugo, Pearl Buck, Hemingway,Jorge Amado, etc, etc, etc...li tudo quanto havia na biblioteca dos meus pais e dos parentes mais próximos, e ainda era uma frequentadora assídua da biblioteca municipal.
Quando vivia sozinha, à sexta-feira passava pela livraria e fazia um fornecimento para o fim-de-semana, comecei a interessar-me pela poesia - Sophia de Mello Breyner, Eugénio de Andrade, Pablo Neruda, Pessoa - apaixonei-me pelo António Alçada Baptista, pelo Amos Oz, pelo João Ubaldo Ribeiro, pelo Chico Buarque...escritor (pelo músico já estava há algum tempo)
Houve ainda outros livros que me marcaram na infância e que aconselho vivamente a quem tenha filhos,não me recordo dos autores, mas os títulos são: o Mundo em Patins(cria o gosto pelo teatro de Shakespeare) e Mudaina (ensina a respeitar as civilizações africanas).
E, de facto, é com livros que nos façam sonhar que se cria o vício...
embora nos últimos tempos prefira a esses aqueles onde, de certa forma, nos sentimos retratados...acho que nos ajudam a pensar-nos e, assim, a conhecer-nos melhor...ainda este fim de semana reli o Tecido do Outono num ápice e acabei, como sempre, quase em levitação!!!!