sábado, 8 de maio de 2010

Mulherio Frustrado

Há coisas que me fazem comichão atrás da orelha esquerda, daquelas comichões que por mais que coce não passam. Uma dessas coisas é o mulherio casado que chama frustrado ao mulherio solteiro e o mulherio com filhos que chama frustradas às mulheres que não têm prole.
Digo que me faz comichão porque em 95,9% das vezes o nível de frustração é bem mais elevado nas gajas casadas (mal casadas) e nas gajas que tentam realizar-se através dos filhos, mas não conseguem e recusam-se a admiti-lo.

10 comentários:

Lídia Borges disse...

Oh! Quanta frustração...

Um beijo

Melissinha disse...

Também me faz comichão as solteiras que acham que as casadas andam presas e as sem filhos que acham que as com filhos não têm vida.
É tudo uma cegueira do caneco, é como se só houvesse uma maneira de ser feliz.

almighty yellowphant disse...

concordo tanto!
e concordo com a melissinha também :)

Beijinhos

Raul e Joel Carvalho disse...

Divulgação ddo Blog Noticias Humuristicas. Já temos fãs, com pouco mais de 1 dia.

http://noticiasanctuanlizadas.blogspot.com/

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Mas sempre achamos, no fundo, que a vida dos outros é melhor que a nossa. Ai, a solteira tem liberdade, ai a mulher com filhos tem amor incondicional, ai a casada tem alguem com quem partilhar tudo.
Nunca NUNCA nunca estamos felizes.

No entanto, parabéns pela coragem do teu post. Nem todo o mundo gosta de admitir que nem sempre a (nossa) situação actual é a melhor, a mais bela e a que todos devem/deveriam seguir.

A Elite

Ana. disse...

E os 95,9% foram apurados exactamente como?!!
Não te sabia mestre em Estatística!
;)

Júlio Castellain disse...

...
Pois então.
...

Precis Almana disse...

Cada um deve ficar feliz com a vida que tem e, se não está, procurar outra vida.

LaranjaLimão disse...

A mim tudo me faz confusão, sou uma pessoa confusa por natureza, mas, "vasculhar" os ideais de vida, as diferentes vidas, os diferentes caminhos de alguém, não me faz confusão nenhuma, faz-me antes ter vontade de perceber pq motivo alguém se dedica a pensar na minha vida, ou a inventar-me frustrações. É interessante.

joana disse...

Aplausos!!! De uma "ajuntada" sem filhos.