quarta-feira, 13 de maio de 2009

Mulheres da Blogosfera e da Vida Real

Achei que o tema do post anterior merecia uma continuação. Por isso aqui venho completar alguns pensamentos que tenho acerca do sexo oposto e da mente feminina.
Sempre fui muito resguardada em relação a mostrar-me por inteiro logo à partida. Se queremos que alguém nos conquiste não podemos dar-lhes de mão beijada todas as chaves para o sucesso. Gosto de deixar as pessoas agirem sem saberem bem o que dizer para me conquistarem. Sem lhes dar muitas pistas.
Só quem me conhece realmente bem tem acesso aos meus meandros interiores.
Mas por algum estranho motivo. Quem sabe para compensar um pouco a minha retracção, tal como uma irmã de alma que puxa por nós, a escrita sempre me obrigou a mostrar-me tal e qual como sou, não me deixando travar, calar, conter, guardar. Na escrita sou plena de mim. Simplesmente porque não consigo escrever o que não sinto.
Essa dualidade sempre me manteve equilibrada, por isso, tal como alguém que precisa de uma terapia qualquer para não descarrilar, a minha terapia são as letras que me espelham e me limpam.
Quanto àquelas mulheres que se denunciam logo à partida a um homem em fase de conquista não as critico. Mas eles são muito mais espertos do que aparentam ser com aquele olhar que nos absorve. Enquanto vocês falam dos amores falhados ao longo da vossa trágica vida amorosa, dos que já vos levaram para a cama, da vossa carência doentia pelo sexo oposto, eles já vos estão a pôr uma cruz vermelha em cima.
Enquanto vocês falam acerca da necessidade que têm de ser surpreendidas já eles estão a magicar a forma como no dia seguinte vos vão surpreender. E depois ficam nos céus porque ele simplesmente adivinhou o que vos faz felizes, quando simplesmente se limitou a ouvir as vossas dicas todas.
Não digo que não se dêem a conhecer, mas façam-no com calma meninas. Penso que este jogo da conquista deve ser feito de igual para igual. Dêem quando ele der. Carta a carta, dia após dia vão lançando mais um bocadinho de vocês e quando sentirem que se podem realmente mostrar, que aquele homem é de facto merecedor de entrar no lado de dentro da vossa vida, força.
Nós temos realmente o coração perto da boca e acho isso um dom maravilhoso. Mas é também uma faca de dois gumes. Penso que devemos ter o coração perto das palavras só para quem o merece...
Sei que há homens que se soltam na escrita e que se emocionam quando escrevem. Penso que o exemplo mais real que tenho desse tipo de homem é o Miguel Sousa Tavares que quando escrevia para a Máxima me fazia chorar e quando o lia no Público nas suas críticas mordazes me fazia aplaudir o espírito acutilante e corrosivo com que lançava as suas farpas ao país. Por isso é que pergunto: Onde é que está esse espírito partido em dois aqui na blogosfera? Vá, toca a mostrarem os dois lados de vocês.

13 comentários:

DeepGirl disse...

Há aqui uma diferença que gostaria de salientar... Posso, posso?:p

Pois bem... No dia-a-dia, falo imenso com quem me dou [bem ou mais ou menos].
Agora, falar não quer dizer partilhar sentimentos interiores. Aliás, o facto é que sou o "caixote do lixo" emocional de muita gente, e a minha tendência é não o fazer com outros. Porquê? A tal "carapaça" emocional. Sinto-me protegida assim. Sei que deveria abrir-me muito mais, e aconselhar-me muito mais em quem confia em mim. Mas tenho dificuldade em confiar nos outros. No meu subconsciente, devem lá andar umas tanto o quanto traições, digo eu.
Isto acontece-me naturalmente com os homens. Estou constantemente a pô-los à prova... Não tem dado bom resultado, e já levei umas boas "abanadelas", mas parece que não aprendo, ou não quero aprender.
Que se há-de fazer?:p

Ó... Save me! LOL

Jinhos Ana :) Voltaste em grande, miúda (ou será que a miúda aqui não sou eu?:s)

JBrito disse...

Acrescentava aqui o meu parecer:

Mulher = Complexidade
Homem = Simplicidade

Mulher = Calculista
Homem = Impulsivo

E só para terminar;

Mulher = Inteligente
Homem = Habilidoso

JBrito disse...

...

Ana C. disse...

DeepGirl gostava de ter voltado em grande, mas ainda tenho nevoeiro em meu redor...
As carapaças emocionais são isso mesmo, couraças que nos vão tornando aparentemente mais distantes dos outros e só transpõe essa camada quem realmente deseja conhecer-nos. Talvez assim afastes algumas pessoas, mas quero acreditar que aquelas que valem a pena se vão esforçar um bocadinho para te partir a carapaça. isto sou só eu a falar e eu não percebo nada disto, só mando coisas para o ar ;)

Ana C. disse...

JBrito: Mulher calculista e homem impulsivo? A sério? Estamos sempre a aprender. Mas é bom ter por aqui uma opinião masculina para variar. A maioria das vozes por aqui é no feminino.
Ah e gostei das...

Miguel disse...

Ana, fisiologicamente falando, as mulheres são capazes de utilizar ambos os hemisférios cerebrais em simultâneo. O homem não. Vocês saõ muito mais complexas que nós. Um exemplo: os silêncios. Ao final de anos de convivência com a Mariana, ainda hoje dou por mim a tentar decifrar os seus silêncios!!
Quanto a ser capaz de fazer chorar ou rir através da escrita... bom, digamos que são poucos os que dominam a arte da escrita tão bem como o MST ou outros que tais. Afinal, o resto de nós somos apenas homens com limitações!!!

PP_FANTASMA disse...

I guess there's allways two sides to every story...the secret it's to look deeply...

Pedro Barata disse...

Adorei o post, mas não gosto do MST... Lol

Ana C. disse...

Miguel obrigada pela tua visão mais cinetífica da coisa. Os silêncios são bastante básicos de decifrar, mas não sou eu que te vou dar a chave para abrires essa caixinha. É tão divertido ver-vos às aranhas :)
Continuo a achar que se escrevem bem sobre política porque raio não hão-de escrever bem sobre aquilo que sentem?

Ana C. disse...

PP e eu a pensar que ias deitar alguma luz na minha ignorância. Lanças-me charadas de tarot? Não, eu quero respostas concretas. Assim não vale!

Ana C. disse...

Pedro o MST pode ser irrascível como pessoa, mas escreve bem como tudo ;)

Precis Almana disse...

A questão que colocas só me faz pensar que se para termos alguém é preciso pensar-se tanto e ser-se diferente do que aquilo que se é, é porque tal pessoa não é para nós. Sou reservada com quem quero e solta com quem quero, depende do que o outro(a) me faz sentir!
E já me portei lindamente a medir tudo o que dizia e fazia e não foi por isso que ganhei alguma coisa... Assim como a pessoa de quem gostei mais até hoje, e que me fez mais feliz, não exigiu de mim qualquer estratégia. E quem me quiser "para sempre" também não o vai exigir. Quando tem que ser, é. É o que eu cada vez mais acredito.
Espero que estejas melhor e que tenha resultado, moça. Não és só tu que precisas dos teus olhos, nós também precisamos :-p

Ana C. disse...

Precis eu não digo que nos transformemos em algo que não somos. Mas não precisamos de contar a nossa vida inteira em trinta minutos entendes? Às vezes assusta sim e a outra pessoa pode não merecer esse desabafo. Não só homem e mulher, mas também mulher/mulher. Há pessoas que se expõem logo muito intensamente e isso pode magoá-las.
Quanto à minha recuperação ainda está um bocadinho enevoada, acho que só no fim do mês estarei a 100%