quinta-feira, 21 de maio de 2009

Não Me Pertences

Bem sei que não posso ser eternamente a protagonista na tua vida.
Apesar dos nossos dias em conjunto se assemelharem a uma longa metragem, os papéis vão brilhando mais, ou menos, consoante o desenrolar da história.
No episódio de hoje entraste aflita na casa de banho enquanto eu tomava banho e gritaste: Mãe não podes molhar os olhos, tem cuidado!
No episódio de ontem sabias onde estavam as minhas gotas e assim que disse que estava na hora de as pôr apareceste com o frasquinho na mão.
E eu senti um conforto inexplicável por te saber atenta, preocupada comigo e pedi secretamente para que esse instinto nunca te passasse.
Pedi em segredo que nunca me visses como um fardo pesado demais na tua vida quando começasse a revelar-me menos jovem.
Pedi em segredo para que nunca me visses envelhecer mal. Pois mais do que a morte física, tenho pavor da morte pelo olhar dos outros. Quando os filhos deixam a pouco e pouco de ouvir os pais, de dar importância à sua palavra. Quando os pais se tornam invisíveis. Quando a companhia não passa de uma obrigação cumprida com enfado. Tenho muito medo de envelhecer assim.
Depois olhei para ti e senti que a cada minuto que passava eras menos minha mais um bocadinho, mas que apesar de tudo, eu seria tua incondicionalmente até ao último dos meus dias. Simplesmente porque é esse o destino de uma mãe.

27 comentários:

HannaH Sophia disse...

Oh Ana C., por mais que os filhso deixem o ninho, aos poucos, a maioria nunca perde a vinculaçao única mãe-filho(a)...

um beijinho

HannaH Sophia disse...

e tens um premio no meu blog!

MARIINHA disse...

Ana C.
Gostei muito do post.Tudo o que dizes é assim. Também eu não queria um dia ser um fardo para os meus filhos. Acho que ninguém quer. Mas para nós, enquanto tivermos a nossa cabecinha minimamente a funcionar, nunca deixaremos esta condição,somos sempre as suas mães, as que estarão sempre presentes e que sempre se preocuparão com eles, tenham a idade que tiverem. É uma coisa que não nos abandona nunca, porque faz parte de nós para sempre - MÃE É MÃE
Beijokas

DeepGirl disse...

Ana C. ...

A tua piquena jamais te esquecerá, pois os laços que se criam entre uma mãe como tu [sim, porque em cada Post teu revelas um coração e instinto maternal que é de louvar e desejar que todas as mães do Mundo tivessem a tua sensibilidade, a tua dedicação, a tua disposição em dar o teu Amor e carinho] e uma menina como a tua [atenta, pura] nunca deixarão que se quebre essa ligação.

Muitos obstáculos surgiram ao longo das vossas vidas, e imensos abraços e beijos serão dados nessas alturas mais difíceis e após os terem ultrapassado, como prémio de consolação afectivo.

Um dia, quando isso acontecer, lembrar-te-às destas palavras.

Lembrar-te-às que desde a concepção desse magnífico ser, até à eternidade, memórias e gestos serão jamais esquecidos por ambas as partes.

Dois Deep kisses enorme para as duas :)*

Tasha disse...

Pois eu só desejo que os meus filhos nunca sintam 1 décimo do que eu ja senti pela minha mae. Mae nao é mae, se nao for talhada para o ser.
Tento todos os dias que eles me sintam como a sua melhor amiga, confidente e companheira. Aquela que os vai apoiar por toda a sua vida, mesmo que muitas vezes em silencio. Acima de tudo, nao é só respeito que espero deles, é amor e carinho. Doi muito ser mae e saber que se perdeu a própria mae só porque ela nao tem capacidade para amar... Nem a filhos...
Também eu nao quero ser fardo...

Rainha Mãe disse...

Parece-me que o desejo de não sobrecarregar os filhos nem nos tornarmos um fardo é comum a todos, no entanto não conseguiremos evitar que eles se preocupem connosco. Contudo a peocupação e a atenção fazem parte das relações daqueles que se amam. Beijinho:)

Banita disse...

Quem me dera que a minha piquis se preocupasse assim comigo... A rapariga é tão independente que até chateia! Xiça!
Onde é que ela aprendeu a ser tão preocupada contigo?

Miguel disse...

Eu acho que é uma obrigação dos filhos apoiarem os pais na velhice. É a lei da vida. Já vi demasiados casos de abandono dos nossos velhos nos hospitais. E apoiar não significa que fiquem com eles em casa ou que abdiquem da sua vida em função deles. Significa tão somente dar uma parte de nós, do nosso tempo, do nosso carinho a quem nos deu tudo. Mas atenção... há por aí mães que DEUS ME LIVRE!!

Melissinha disse...

Ó Aninha UP UP! :)
Concordo com o Miguel, o ciclo da vida é esse mesmo e é naturalérrimo: cuidamos deles no começo, eles cuidam de nós no fim. Bem como nós não encaramos como um fardo, seria excelente que eles também não encarassem, que fosse tudo tão natural quanto qualquer outra coisa.

No dia que o meu Gabriel me disser para ter cuidado com a água nos olhos vou desatar aos berros de comoção (já viste uma Carneiro de sete costados comovida? Não queiras ver.)

Ana C. disse...

Hannah eu não estou desanimada, nem por sombras. Mas vejo muitas coisas à minha volta que me deprimem. Sou uma observadora ;)

Ana C. disse...

Mariinha eu penso muito acerca de tudo e observo as pessoas à minha volta. Às vezes até desconhecidos na rua. A realidade é que muitos filhos hoje em dia se limitam a encarar os pais como um fardo...
Espero que não seja o nosso caso e gostei de te ler.

Ana C. disse...

Mariinha eu penso muito acerca de tudo e observo as pessoas à minha volta. Às vezes até desconhecidos na rua. A realidade é que muitos filhos hoje em dia se limitam a encarar os pais como um fardo...
Espero que não seja o nosso caso e gostei de te ler.

Ana C. disse...

DeepGirl és muito querida. Obrigada pelas tuas palavras :)

Ana C. disse...

Tasha obrigada pela partilha e espero que consigas com os teus filhos o que nunca tiveste com a tua mãe. Já vi que não és daquelas que repete os erros, mas que os usa para fazer diferente.

Ana C. disse...

Rainha Mãe é bem verdade que quando amamos nos preocupamos, às vezes demais...

Ana C. disse...

Banita tu és o meu prato de eleição, ou seja és um prato.
Onde é que ela aprendeu? Não faço a mais pálida ideia. Mas acho que os miúdos têm todos feitios diferentes. Ela é uma miúda preocupada. Acorda quase sempre mal humorada com o mundo e quando lhe dá para ser torcida também é, mas depois tem estes rasgos de sensibilidade que me deixam sem palavras :)

Ana C. disse...

Miguel tens toda a razão. Mas às vezes só obrigação também dói...
Há filhos que nem por obrigação visitam os pais. Depois há os que visitam por unicamente por obrigação e depois há aqueles que têm prazer em visitar...
Eu gostava muito que um dia mais tarde a minha filha me visitasse por prazer :)

Ana C. disse...

Melissa só que nos dias de hoje é cada vez menos natural os filhos cuidarem dos pais. Talvez por cada vez se viver até mais tarde, não sei. Por isso ver certos pais e certos filhos põe-me a pensar. Não quer dizer que esteja em baixo. Penso só isso :)
E espero que o Gabi cuide de ti sim que é para te ver chorar

Melissinha disse...

Já o meu pai disse que está doido para chegar a altura de enfiar cocó nas meias e atirar à ventoinha de tecto só para termos um gostinho do que ele passou.
Duas vezes.

Kitty disse...

A tua filha está a ser moldada da melhor forma que vocês conseguem. Se um dia ela se tornar uma pessoa menos boa, a culpa não será vossa. Mas como é pouco provável que isso venha a acontecer, tenho a certeza que um dia serão as mãos dela que te vão afagar o rosto e será ela a mãe que tu vais precisar, e tenho a certeza que quando esse dia chegar ela irá desempenhar o seu papel tão bem como tu desempenhas o teu :)

Precis Almana disse...

Não te preocupes por antecipação. Gostar é preocuparmo-nos com o outro de quem gostamos, a tua filha gosta de ti. Usufrui desse momento, dá graças por ele, não vejas o seu lado mais cinzento e, ainda por cima, num futuro ainda tão longínquo..

Ana C. disse...

Kitty muitos obrigadus pelas tuas palavras. É a melhor coisa que me podem dizer, que estou a fazer um bom trabalho. Se bem que só me conheces por aquilo que escrevo...

Ana C. disse...

Precis eu divago muito acerca de tudo. É claro que não fico cinzenta a pensar o que vai acontecer daqui a 30 anos. Mas penso sobre isso apenas.

Izzie disse...

quase me fizeste chorar... não vale!

AnaMoreira disse...

É realmente triste quando os filhos olham para os pais apenas como um fardo, não se preocupam com as suas vontades, não os ouvem ou dão atenção, e até os abandonam..mas não penses assim, e a Alice [sempre tão querida ;)] não será assim com certeza!! Um gd bjinho por mais um texto fantástico..

Ana C. disse...

Izzie não quero fazer-te chorar. Só se for chorar de tanto rir...

Ana C. disse...

Ana é muito triste mesmo. Espero realmente que tenhas razão e que todo o carinho que dou à Alice um dia mais tarde se na relação dela comigo.
Obrigada!