quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Morre Lentamente

Já tinha deixado aqui este texto (correcção mais do que justa e necessária) de Martha Medeiros que sempre fez tanto, mas tanto sentido para mim e hoje é um dia tão bom como outro qualquer para me agarrar a cada frase com todas as forças e sair da inércia que me tem toldado o caminho...

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca, não arrisca vestir uma cor nova e não fala com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televisão seu guru.
Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro ao invés do branco e os pingos nos iis a um redemoinho de emoções, exactamente o que resgata o brilho nos olhos, o sorriso nos lábios e o coração aos tropeços.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho.
Morre lentamente quem não viaja, não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem não se permite, pelo menos uma vez na vida, ouvir conselhos sensatos, quem passa os dias queixando-se da má sorte, ou da chuva incessante. Quem destroi o seu amor próprio, quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem abandona um projecto antes de o começar, nunca pergunta sobre um assunto que desconhece e nem responde quando lhe perguntam sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em suaves porções, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples ar que respiramos.
Somente com infinita paciência conseguiremos a verdadeira felicidade.

17 comentários:

bbug disse...

Olá. Sou uma leitora assidua deste blogue que descobri num acaso, mas que sigo com muito interesse. Tenho lido esta citação em muitos sítios, até já a escrevi uma vez no meu blogue também. Não encontrei nunca foi a referência ao livro... Será que me podias dizer de onde é? Obrigada!

HannaH disse...

força Ana C.!!! mas nao deseesperes pk momentos desses fazem falta a toda a gente

Raquel disse...

Adoro estas palavras, a Martha Medeiros também as disse num dos seus livros de crónicas! Sabedoria no seu melhor!
Amiga, inércia é algo por qual todos passamos, o importante é o caminho que escolhemos seguir para saír dela. Eu sei, e não tenho dúvidas nenhumas, que tu escolhes o caminho certo.
Bjs e força ;)

Ana. disse...

"inércia s.f. [...]8 FISICA propriedade que os corpos têm de não poderem, por si, alterar o seu estado de repouso ou o seu movimento."


Snap out of it!
Mind over matter, remember?

;)

DIABINHOSFORA disse...

Engraçado, este foi o texto que seleccionei para colocar no meu perfil do Hi5 e do Tagged...é fabuloso e condiz inteiramente com a forma como encaro a vida.

Beijinho

Melissinha disse...

Só uma reparaçãozita: o poema é lindo, mas é de uma autora chamada Martha Medeiros (Anacê, sou duma comunidade de textos apócrifos, hehe.)
A César o que é de César!

Eumesma disse...

Ter consiência da inércia que atravessas numa determinada fase da vida já é meio caminho para sairmos dela, e sei que tu irás encontrar esse caminho tens uma precepção extraordinária do mundo em teu redor e dos seus probelmas.
:-)

Quanto ao texto é simplesmente fabuloso e diz TUDO!!

Há que colocar, sempre em práctica (ou tentar pelo menos) tanta sabedoria.

Bjs

Maria Manuela disse...

Este é um dos textos mais fantásticos alguma vez escritos.

bj

Ana C. disse...

bbug parece que andávamos enganadas, nós e meio mundo. O poema é de Martha Medeiros, cronista brasileira. Isto de receber mails reencaminhados sabe-se lá por quem em destes perigos ;)

Ana C. disse...

Hannah não desespero não senhora, já comecei uma coisa que queria ter começado há muito, mas andava a adiar feita idiota :)

Ana C. disse...

Raquel mea culpa, parece que é da Martha Medeiros sim. Fui enganada tal como milhares de pessoas que estão convencidas que isto é do chileno Neruda. A Martha Medeiros devia fazer um desmentido público...

Ana C. disse...

Ana. seu diccionário ambulante!!!! Obrigada :)

Ana C. disse...

Diabinhos é um texto lindo que todos deviamos seguir pelo menos de vez em quando ;)

Ana C. disse...

Melissa a Raquel já tinha chamado a atenção para o mesmo. Acreditas que se fores à net te aparecem milhões de citações como sendo de Neruda? O que vale é que tenho amigas estupidamente cultas.

Ana C. disse...

Eumesma como sempre tens razão, às vezes tenho uma consciência clara demais. Mas ontem já fiz o que tinha que ser feito, quer dizer, já comecei pelo menos ;)

Ana C. disse...

Maria Manuela sem dúvida que sim. Só queria poder guiar-me mais por ele...

Joanissima disse...

(e eu que recebi este texto por email, como sendo do Plabo Neruda...)

Há dias mais compridos, só isso.
(comigo ha sempre tres coisas que resultam, não necessariamente por esta ordem: lágrimas, sexo e chocolate)

: ))

Um beijo cheio de mimo