quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Quiseste agora Aguenta!

Quando estava longe de pensar em ser mãe defendia com unhas e dentes a ideia de que o pai não tinha nada que assistir ao parto se não o desejasse.
Nos tempos em que era uma grandessíssima liberal e jamais me passaria pela cabeça forçar o homem a nada, muito menos a ver-me de perna aberta e a fazer força até rebentar as entranhas.
Também não me passava pela cabeça deixar de ir ao cinema com um namorado ver um filme de acção e pontapés no traseiro, pois no amor cabia tudo. Desde a tolerância sem limites, ao verdadeiro faz e deixa fazer.
Acontece que as coisas mudaram um bocadinho (ahahaha) e desde que fomos pais, o que um faz pelo e para o filho o outro também deve fazer. Acho que se chama democracia familiar. Esse conceito vago e abstracto ainda para tantos seres do sexo masculino, mas tão nítido para mim.
Faz-lhe impressão? Que pena então e a mim não fará?
Tem pânico de sangue! Ah e se eu tiver, como é que me desenrasco?
Não gosta de me ver sofrer! Então não tivesse insistido para termos mais filhos.
E pronto, estou assim, tanto quero a democracia que lentamente me transformo numa ditadora :)

* O Hugo não disse nenhuma destas frases feitas que mencionei acima, mas ando a sentir que se quer esquivar do acontecimento. Só que eu já preparei a epidural para lhe dar e tenho uma maca reservada ao lado da minha. Riso maquievélico.

14 comentários:

Raquel disse...

Só tu é que consegues fazer da situação descrita um momento único de comédia! Queria ver a cara das enfermeiras quando exigisses uma maca e, principalmente uma epidural, para o Hugo! AHAHAH!
Mas agora a sério: acho muito bem que, se fôr isso que tu queiras para esse momento, que ele o faça por ti. E se o fizer é uma grande prova de amor Ana, acredita que os homens não foram feitos com estaleca para passar por certas coisas...
Bjs xx

Ginguba disse...

Então Ana??? Que má! Pois eu nesse assunto não concordo nada! Acho que o melhor mesmo é não ter o marido por perto nesse momento. Só se ele quiser muito! Eu tive oportunidade de assistir ao parto do bebé de uma amiga e não é para todos! A sério! É preciso estar muito preparado. E os homens são cá uns medricas! Vai que lhe dá uma coisinha e é preciso assisti-lo? Nã...só atrapalham!

Ana C. disse...

Raquel a questão é que ele quis muito este filho. Fazer é realmente a parte fácil, mas ser pai é muito, muito mais e começa logo na gravidez ;) Isso de andarmos sempre a desculpá-los porque não têm estaleca é o nosso mal. Aliás, o mal das mães de rapazes que os transformam numas flores de estufa que nem uma máquina de lavar roupa sabem programar ;)
Como podes ver hoje estou com os azeites ahahaha

Ana C. disse...

Ginguba má não,péssima ;)
Então e se nós precisarmos muito, como é que é? Aguentamo-nos à bronca, pois...
O mal da nossa sociedade é desculparmos, amortizarmos, dourarmos sempre a pílula para o homem e nós que nos aguentemos sozinhas. Penso que a raíz do problema são mesmo as mães de rapazes que os protegem das coisas mais parvas, como das tarefas domésticas por exemplo.
No meu caso eu sei que ele não desmaia coisa nenhuma e faz-me falta tê-lo presente naquele momento único...

Melissinha disse...

Cá não houve sequer a possibilidade de o assunto ser discutido.
O Gabriel não veio cá parar por um big bang das minhas entranhas, por isso, meus amigos... touquinha na cabeça e toca a passar-me a mão na testa, que bem mereço.

Lia disse...

oh...qd eu tiver um filho espero que o pai dele esteja lá a segurar-me na mão e a dizer que está tudo bem! Tudo o que seja menos que isso daria direito a divórcio...mas como não sou casada não deve haver crise, lol

anónimo disse...

Eu "aguentei" 3 (o último cesariana) e só não assisti ao 4º(cronologicamente o 1º) porque na época o HSJ (Porto) não permitiu.
Foi um prazer.
E fiz questão de dar banhos, lavar cus , pilas e pipis e mudar fraldas pestilentas!
Mama não dei: estavam secas eheheh, mas dei muito biberão.
E não me senti,nunca ,super-homem por tê-lo feito.
(só me custou muito ver a episiotomia- não havia necessidade...)

Ana. disse...

Gosto quando escreves assim, cáustica e a cagar d'alto para as convenções!
Os homens têm estaleca para tudo e mais alguma coisa e se as mamãs não os ensinaram a ser homens, estamos cá nós para isso!

Go Ana!

;)

3Picuinhas disse...

:D:D:D isso mesmo! o sangue faz impressão? azarico, fecha os olhinhos e segue...felizmente eu e o cara metade fazemostudo a meias por isso o "moço" assistiu aos dois partos: 1 natural, 1 cesariana. E nem é assim tão mau, afinal eles não ficam de frente para o acontecimento.... :)

Ana C. disse...

Lia se ele não quiser estar agarras-lhe na mão e algemas o homem. Há solução para tudo nesta vida ;)

Ana C. disse...

Anónimo a parte que mais gostei do teu comentário foi teres dito que nunca te sentiste o super-homem por teres feito todas essas coisas. Chiça é que é isso mesmo, a coisa devia ser natural, sem auto elogios ;)

Ana C. disse...

Ana. Então os homens governam países, vão à guerra (sim, as mulheres também) e não assistem ao nascimento dos filhos? No Way!

Ana C. disse...

3 Picuinhas é isso mesmo. Eles não ficam do lado de lá do acontecimento, mas pertinho de nós e até podem fechar os olhinhos se quiserem ;)

gralha disse...

Mas como é que isto alguma vez pode ser uma democracia?? Que cada casal chegue ao seu equilíbrio... O meu pediu para assistir. Eu lá cedi o sangue frio da minha mãe em favor dos direitos paternos. Mas se é para sofrer, como eu costumo dizer, não sou comunista: mais vale só um do que os dois.