domingo, 11 de outubro de 2009

Reza Eleitoral

Que ganhem candidatos que acabaram o curso a um Domingo e com envolvimentos por esclarecer em negócios obscuros, que ganhem candidatos que fogem na mala de um carro para o Brasil, que ganhem candidatos condenados a penas de prisão, mas por favor, pelo amor da santa e dos santos e de Deus Nosso Senhor Jesus Cristo que não ganhe o Paulo Pedroso em Almada. Porque se isso acontecer passo definitivamente um atestado de betão armado cerebral ao povo.

12 comentários:

Lia disse...

parece que uma condição necessária para ganhar eleições neste país é ter um processo na justiça, por isso não sei se a tua prece será ouvida!

Angelik disse...

Concordo plenamente contigo!
Que cambada esta que permite este espectáculo que se passa na política!

Beijocas

disse...

Ai, como eu te entendo! Quase morri quando me disseram que ele ia à frente!

Precis Almana disse...

E porquê, Ana?

Precis Almana disse...

Que eu saiba, o homem esteve preso e foi ilibado! Ou seja, esteve preso sem se ter nada provado contra ele. Nesse caso, porque há-de continuar a ser julgado em praça pública por causa do que ninguém conseguiu provar que fosse verdade, portanto sendo inocente?

Ana C. disse...

Lia no dia seguinte posso-me rir com a não reeleição da Fátima Felgueiras :)

Ana C. disse...

Angelik eles são o reflexo do povo que os elege. Mas vá lá que pelo menos em Felgueiras acordaram :)

Ana C. disse...

Bê e ganhou...

Ana C. disse...

Precis o caso dele tem contornnos muuuuuuito duvidosos. Esteve preso preventivamente sim, mas nunca chegou a ser julgado. Há que ter em conta as influências que familiares muito próximos exerceram sobre o arquivamento do caso.
Tu sabes como é que a justiça funciona no nosso país.
Cada um interpreta as coisas à sua maneira e eu, infelizmente, fiz uma leitura menos luminosa deste caso...

Precis Almana disse...

Se ele tivesse tido essas influências todas, tinha estado preso preventivamente tanto tempo e com tanto prejuízo para a sua vida pessoal? Desculpa, mas não acredito. Não foi julgado porque simplesmente se demonstrou que não havia razões para isso, não havia qualquer prova!
Eu conheço-o e poderia aqui tecer elogios e fazer a defesa acérrima de alguém que acredito que não fez absolutamente nada daquilo que o acusam. Mas como não é sequer por isso que defendo que toda a gente é inocente até prova em contrário, e que condenar em praça pública quando não há mais nada que indicie que a pessoa é culpada, não o desejo a ninguém porque é algo que também não quero para mim.

Ana C. disse...

Precis tal como disse cada um faz as suas próprias leituras da informação que deixam transpirar...
A minha só não é igual à tua.
Sei de muitos casos arquivados pelos motivos menos nobres e outros que não são arquivados pelos mesmos motivos.
Essa máxima de que ninguém é culpado até prova em contrário já fez tão, mas tão mais sentido para mim do que faz hoje em dia...
Mas como disse cada um é livre de tirar as suas próprias conclusões.

Precis Almana disse...

Sim, Ana, claro que cada um é livre de tirar as suas conclusões. Mas como eu não gostaria de, um dia, ver dito sobre mim algo que não fiz, só porque sou figura pública e faço sombra política a alguns, e ver sobre mim debruçar-se um processo Kafkiano, e ficar com o resto da vida estragada por causa de suspeitas e do diz que disse (não foram mais do que isso, te garanto), também não gosto que o façam a outros. Em especial pessoas que conheço e com quem já privei.
O que transpira cá para fora são coisas feitas por jornalistas, cada vez mais mal formados e com sede de sangue, suor e lágrimas, como também já referiste em posts - há excepções, claro, não quero que me caiam em cima por causa disto. Não te esqueças deste (não pequeno) pormenor.