sábado, 4 de julho de 2009

Batalha Nocturna

A coisa pior que me pode acontecer durante a noite é ter o quarto invadido pelo pelotão aero-transportado, que é como quem diz, pelas melgas.
Começa tudo como se estivesse a sonhar. Primeiro muito ao longe oiço o que me parece um avião a rasgar os céus, depois, à medida que vou tomando consciência, percebo que o avião deixou de furar as nuvens lá fora e arranjou maneira de entrar no quarto. Como? Ah está bem, estou a sonhar, não há problema, é só um sonho.
Mas eis que surge a comichão, a princípio um ardor, mais tarde a comichão dos infernos. Ou me coço até fazer sangue, ou morro.
Neste ponto já estou acordada e percebo que não era um sonho, antes um pesadelo. Mas um pesadelo bem real. Levanto-me aos tropeções e procuro o Fenistil para a pequena bolha transparente que antes do amanhecer já estará uma baba arroxeada e quente de tão envenenada.
O Fenistil parece aliviar e podre de sono tapo-me até aos olhos. Quase consigo sentir o vento que produz à sua passagem. O som das asinhas torna-se ensurdecedor. Mas enquanto estiver debaixo dos lençois ela não me chega.
Passados uns minutos o calor torna-se insuportável, não aguento mais, não consigo mais estar tapada, vou sufocar, destilar, desfazer-me em água. Acabo por atirar os lençóis pelo ar num gesto impaciente e fico ali, à espera. Consigo senti-la no escuro, vejo os seus olhinhos amarelos, pronta a atacar a qualquer instante.
Neste ponto da situação estou disposta a tudo, pego na havaiana, numa revista, num livro, no que estiver mais à mão e começo a caçada. Só vou descansar quando a desfizer num banho de sangue, neste caso, do meu próprio sangue. E depois de várias tentativas falhadas, acerto-lhe em cheio e respiro de alívio. Desligo as luzes e suspiro feliz.
Mas é sol de pouca dura, pois a prostitutazinha trouxe a família inteira para a batalha.
Se é guerra que querem, guerra terão. E assim se passa uma noite sem dormir...

23 comentários:

Melissinha disse...

Ahamm.
Contra melgas, uma ventoinha. É quase infalível. Se não, mosquiteiro no tecto, que até dá uma aparência de princesa ao quarto.

Ana C. disse...

Melissa isto são episódios passados. Agora enfio aquelas merdas na tomada. Mas mesmo que falhem, desde que vivo com o Hugo que ele atrai as melgas todas para ele. As alegrias do casamento :)

ergela disse...

Contra as melgas, marchar...marchar.

:)beijo zzzzzzzz

DIABINHOSFORA disse...

Bem...já alguma vez te aconteceu uma delas entrar num sapato? E o barulho da gaja lá dentro?! Põe avião nisso! Noite insuportável, até descobrir que a parvalhona da melga adorava o meu chulezito 5 estrelas...

Only Words disse...

Essas gajas são do pior que há! Felizmente as fulanas não querem nada comigo, só quando a fome aperta em demasia, mas o meu sangue é tão azedo que depressa desistem de andar para aqui a sugar-me. Hehehehe

Rainha Mãe disse...

O simples facto de saber que elas andam por ali chega para tirar o sono!

Precis Almana disse...

Olhos amarelos, adorei a imagem.
Essas cenas na tomada ou encher o quarto de insecticida umas horas antes de ir dormir também resultam. Felizmente moro num 10º andar e destruo-te - sem querer - a teoria dos aviões: os ditos andam a não sei quantos mil pés de altitude, mas as p**as que referes não têm a mesma capacidade ;-) Mas na casa dos meus pais são mais que as mães...

bela disse...

O Verão tem destas coisas... Eu não as suporto!!

Melissinha disse...

Cá em casa o sangue doce é meu, para onde vou as amigas voadoras seguem-me.
Mas as ditas ainda não chegaram por estas bandas, ainda estou a ter uns dias de paz.

AnaM. disse...

Ah como eu detesto esses bichinhos de asas... E também não descanso enquanto não as extermino!

João Pedro disse...

Eu acho que elas conseguem até passar o lençol, Ana.
As batalhas que já tive com esse insecto detestável... :-p
Gostei bastante do texto. Muito bem escrito e agradável de ler.

Beijinho,

Ana C. disse...

ergela zzzzzzzzzzzzzzzzzzz também para ti :)

Ana C. disse...

Diabinhos o que já me aconteceu e não desejo a ninguém é ter sido picada no pé, bem na sola, que é para quando ando calçada no meio da rua ter que tirar o sapato para me coçar :)

Ana C. disse...

OnlyWors sorte a tua por teres sangue anti melga...

Ana C. disse...

Rainha mãe na mouche. É que é mesmo assim. Só de as saber a rondar fico com insónias...

Ana C. disse...

Precis a sorte dos andares muito altos... Mas se te mudares para a casa do vizinho do 4ºandar fica tudo estragado :)

Ana C. disse...

bela já somos duas...

Ana C. disse...

Ana M eu transformo-me na verdadeira extreminadora implacável...

Ana C. disse...

João elas arranjam maneira de entrar em todo o lado. Mesmo que dormisses dentro de um escafandro, conseguiam picar-te. BAHHHHH
Obrigada ;)

Precis Almana disse...

Ana C.
Ahahahah, essa 'tá boa ;-)
Mas não mudo, eu defendo o "cada um na sua", o ser casal "L.A.T." (living apart together). Mas para o que quer que fosse acontecer, era preciso novo encontro no elevador às 20.35 ;-)

L. disse...

Oh Ana, ao menos tu não inchas... Eu chego a ficar com os braços ou as pernas com o dobro do tamanho.

Malditas sejam.

Num serão chego a ser picada mais de 10 vezes, enquanto o resto das pessoas à minha volta nem "UMAZINHA"?!

Acho mal, muito mal.

HannaH disse...

uiii as melgas são do pior...eu não consio dormir se souber que está um no quarto...e depois aquele zumbido irritante, aqueles vôos razantes nos nossos ouvidos argh!!!!

Joanissima disse...

Grandes putas, podes crer!!!!

Eu sou fã de um raidezinho de parede: não cheira nem é toxico e é infalivel...
Antes de o descobrir costumava dizer que preferia que me comessem viva mas que me deixassem dormir!!!!

Porcas!!!