quarta-feira, 8 de julho de 2009

No Teu Deserto - Miguel Sousa Tavares


Comprei-o hoje à hora de almoço. Virei a última página duas horas depois.
Leio o Miguel Sousa Tavares há muitos anos e dele sei apenas o que uma leitora pode saber sobre quem escreve. Sei da parte que ele mostra através das letras, da parte que ele nos deixa saber, da parte que ele nos oferece generosamente quando se expõe nas palavras que nos tocam.
Jamais presumiria dizer que o sei de cor, de trás para a frente, pois ninguém conhece ninguém de verdade. Há no entanto uma relação intima, muito além do físico, que nasce quando gostamos do que alguém escreve e nesse sentido sinto-me tremendamente próxima dele, pois idenfico-me. E não é bom quando descobrimos que não estamos sozinhos naquele pensamento em particular? Naquele sentimento que julgávamos único?
Quando segurei o exemplar do meu livro na mão pela primeira vez. Duas cópias seguiram para duas pessoas da escrita que sempre admirei. Uma foi o António Alçada Baptista, outra foi o Miguel Sousa Tavares.
O António Alçada Baptista escreveu-me poucos dias depois, um postal que guardo até hoje como uma relíquia e que fui reler no dia em que soube da sua morte.
O Miguel Sousa Tavares provavelmente atirou-o para o fundo de um caixote na melhor das hipóteses, mas não me arrependo nem por um segundo de o ter feito, pois devemos sempre dizer a quem admiramos o quanto o admiramos.
E aqui fica mais um tributo a alguém que sabe pôr tudo quanto é naquilo que escreve e que sabe que só assim faz sentido escrever.

21 comentários:

Miguel disse...

Nunca li nada dele. Nem sei bem porquê. Talvez aquele ar arrogante e sobranceiro (e um pouco arruaceiro) me tenha afastado.

chacommel disse...

Concordo com o Miguel. Não gosto da forma como ele falava no jornal da noite da TVI, sempre muito senhor do seu nariz, sempre " eu é que sei, eu é que mando"... Talvez nas férias me arrisque a ler Equador.

Ana C. disse...

Miguel eu acho que ele tem o coração ao pé da boca e não tem grandes papas na língua. É um gajo do Norte carago.
Depois o mais engraçado é que se lesses este registo dele e não soubesses quem escrevia jamais dirias que vem do comentador da TVI. Ele abarca tudo em termos de escrita. Já o li em vários registos e confesso que este do último livro, intimista, um bocadinho feminino, é o meu preferido.
Para ti aconselho o Equador.

Ana C. disse...

chacomel eu sou uma fã do Miguel Sousa Tavares desde muito antes da TVI e sempre me senti de alma lavada de cada vez que o lia no Público a defender um ponto de vista que partilhava com ele.
Se lesses a escrita dele mais sensível, quando ele escrevia para a Máxima, por exemplo, rendias-te. tenho a certeza absoluta.

Maria Manuela disse...

Gosto das crónicas e das histórias de viagens e gosto da pinta. Tem pinta de lobo mau, mau, au, auuuuuuuuuuuuuuuu.

:)

mãeee disse...

Gosto da escrita do MST.
Li a entrevista dele à Visão sobre este quase-romance ... ficque desejosa de comprar e ler ... na certeza que será um leitura ávida ... que no momento em que abrir a primeira página, vou ter de continuar e continuar até ao fim que ele decidiu impor ao seu texto, sem que saiba que ali é o meu fim face ao que recebi...

beijinhos

mãeee disse...

*fiquei

;)

Marshmallow disse...

Já o encomendei há minha mãe. Espero em breve poder lê-lo, pois estou super curiosa! Li o Equador e o Rio das flores. Identifiquei-me muito com o segundo. Apesar de ter adorado o primeiro. Outro que está na minha lista é o Sul, não fosse eu uma apaixonada por viagens. E as saudades que tenho de ler um bom livro em português!!

Melissinha disse...

TINHA QUANTAS PÁGINAS, MARIA???

Ana C. disse...

Maria Manuela e tu és o capuchinho está visto. AH AH AH

Ana C. disse...

mãeee o livro é pequenino e lê-se muito bem sim ;)

Ana C. disse...

Marshmallow a escrita do Miguel ST também se espalhou durante muitos anos por publicações jornalísticas, quer em revistas, quer em jornais. Por isso digo que já o leio há muitos anos.
Preferi mil vezes o Equador, ao Rio das Flores. Agora este não tem nada a ver com os outros dois, acredita :)

Ana C. disse...

Melissa só umas míseras 125 :)

MARIINHA disse...

Ana:
Vou a mais de metade. E não o li já todo porque tive um dia que não deu mesmo. Mas acabo hoje. Estou a gostar bastante.
Pronto, vou deixar a blogosfera e vou acabar de ler o livro. Beijinhos

Luz de Estrelas disse...

Achei o Equador brilhante e o Rio das Flores muito mau. A maneira dele escrever agrada-me imenso, na minha apreciação o problema residiu nas vidas contadas. O primeiro foi um livro maduro, fez-me crer que estava lá, senti o ambiente e a densidade das personagens; o segundo não consegui sequer captar a personalidade de cada um. Eram incoerentes, sem paixão. Tenho curiosidade de ler este.

Ana C. disse...

Mariinha depois diz o que achaste. Não é um assombro, mas gostei de ler. Disse-me alguma coisa.

Ana C. disse...

Luz de Estrelas estou contigo. O que adorei o Equador não gostei do Rio das Flores.
Penso que ele estava tão preocupado com a precisão histórica que se perdeu em descrições desnecessárias e os personagens não tinham a mesma consistência dos do Equador. As histórias de amor não convenciam nem um bocadinho.

João Pedro disse...

É a minha proxima compra, Ana. ;-)

Ana C. disse...

João depois diz o que achaste :)

Maria M. disse...

Olá Ana! Ontem acabei de ler "No Teu Deserto". Gostei! e por curiosidade fui ver se no livro "Sul" (que já li há muito tempo e não me lembrava) estava lá esta viagem ao deserto que ele descreve no livro. E está! Sob outra perspectiva claro... Se quisermos saber melhor como foi a viagem...fica aqui a dica!

Beijinhos

Ana C. disse...

Maria M eu também tenho o Sul e lembro-me que havia lá uma viagem ao deserto sim. Mas será que é a mesma? Ele já lá foi tantas vezes. Vou espreitar ;)