sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A Aventura da Paternidade no Amor


Conheço mais do que um casal que decidiu ter filhos para melhorar, ou até mesmo salvar a relação.
A coisa está má? Vamos ter um filho, é essa a última alternativa. Um filho vai-nos fazer crescer, vai-nos unir enquanto casal. Vamos a isso. E lá vão eles a isso, mas arrancam para esta tarefa sob a premissa mais errada do mundo.
Os filhos não curam males de relação, os filhos não são anti depressivos que se tomam para melhorar o estado de espírito. Os filhos não matam carências.
Se um casal está mal vai piorar certamente depois da chegada do terceiro interveniente. Se a depressão está instalada e a carência de pedra e cal, um filho vai agravá-las.
Porque quando aquele pequeno e indefeso ser chega à nossa casa e se instala nas nossas vidas temos que estar bem para o receber.
Se existiam discussões, depois de uma noite mal dormida e de um acordar ainda pior as discussões agravam-se.
Se havia afastamento, a falta de disponibilidade para o outro vai afastá-los ainda mais.
Se havia divergências, quando chegar a altura de começar a estabelecer regras, cada um vai puxar para o seu lado.
Se existia a morte anunciada de um amor esse amor está quase certamente condenado.
Agora quando já existe alguma coisa muito forte a unir o casal, quando eles estão bem emocionalmente e desejam essa aventura da paternidade. Um filho vai fortalecê-los sim. Vai ser a prova de fogo daquele amor. Noites em branco ultrapassadas em conjunto, regras discutidas em conjunto, tarefas divididas sem imposição.
Um filho é o inicio da família com todas as letras, com tudo o que isso implica.
Ter um filho, como li há pouco tempo num blog, é viver com o coração fora do corpo... E esse coração precisa de bater bem forte.

10 comentários:

kel disse...

Um filho é a melhor coisa do mundo mas também a causa de muitas relações chegarem ao fim. Exige muito das pessoas, muita dedicação, muita paciência.... Coisas que quem não está de bem com a vida tem dificuldade em dar. Coisas que quem está mal com o seu parceiro não vai tolerar... Ver a atenção repartida com um 3º elemento pode ser demasiado para algumas pessoas, ainda que esse novo membro da relação seja um filho.

Filhos não são Ben-u-ron, são uma benção, um pequeno (grande) milagre e não devem ser trazidos ao mundo de animo leve!

Beijinhos*

Ana C. disse...

Kel, não podia dizer melhor. Os filhos não são um ben-u-ron, nem prozac, são uma coisa um bocadinho mais séria...
Bjs

Rainha Mãe disse...

Lindo como sempre! Concordo na integra. Quantas vezes não nos apoiamos no outro para superarmos os "problemas" que o bebé coloca no dia-a-dia. Se a base da relação não for forte não á casamento que aguente...

Ana C. disse...

Rainha Mãe, os alicerces têm que ser bem sólidos para a construção não desmoronar. Tens toda a razão.

C disse...

Felizmente não é por experiência própria que sei do que falas. Infelizmente, à minha volta, bem perto, tenho a noção do que é um casamento com filhos atrás de filhos como se estes fossem uma cura e nada. Passados 30 anos, o casamento acabou! Pode até não ter acabado antes por causa dos filhos, pode. Mas este fim que se chama divórcio já tinha sido antecedido por outro fim que ambos sabiam... Triste.

Ana C. disse...

C, é bem verdade, também há aqueles casamentos que se alimentam apenas dos filhos, onde não há amor e quando estes estão criados e prontos para a vida o casal percebe que já não tem nada em comum e seguem cada um o seu caminho. Mas isso dava outro post...

Maria disse...

Tal como dizes, um filho não é a solução para nada.. Até porque envolve várias emoções que ainda podem tornar tudo mais complicado..
beijinho.

Ana C. disse...

Maria: emoções, decisões, frustrações, menos tempo...

Eumesma disse...

Oláaaaaaaaaa!!! ;-)

(pois que pensei mto bem em voltar aqui novamente porque, Menina Ana a menina gozou com o meu post desinspirado de hoje sobre o mundo sério dos Signos e estou ofendida , pois que estou eheheheh, mas pronto, adoro os seus temas sempre tão pertinentes e sinceros e vou perdoar a sua sinceridade e continuar por aqui até que eu diga alguma asneirada e seja expulsa lol)

Ora e vamos ao tema aqui descrito, assim curto e grosso:
Não tenho filhos, mas tenho cabeça, inteligência e bom senso e nunca mas nunca teria um filho que não fosse apenas pela vontade de o ter.
É um pedaço de nós?? Pois é.
É a nossa continuação enquanto pessoa??
Pois é.
É o sonho de (quase) todos os casais?? Pois é.

Mas significa também uma volta de 360 graus numa vida, a nivel de responsabilidades, dinheiro, perca de tempo para nós, tudo...
Portanto como poderá ser panaceia para uma situação que já está mal?
Não estarão estes pais que decidem por ter um filho para "unir" a ser do mais egoistas que se possa pensar?? Porque se as coisas estão mal , provalmente mais cedo ou mais tarde até podem acabar e dps a criança, que culpa teve de não vir ao mundo por amor como um projecto de vida mas sim para salvar alguma coisa...??
Mas salvar o quê??
Inteligência, inteligência e visão a longo prazo é o que falta a estas pessoas que decidem irem por este caminho.

E tenho dito!!!

:-)

Ana C. disse...

E disseste muito bem Eumesma, ainda bem que há mais pessoas a pensarem assim como tu. Vou voltar ao teu blog para me redimir :)