sábado, 14 de fevereiro de 2009

Dia 14 de Fevereiro (1923)

Para mim este dia sempre foi o dia de anos do meu avô. Nunca celebrámos outra coisa além do aniversário dele.
Hoje celebrámos-te sem te ter aqui. Fomos todos jantar fora, porque afinal de contas se fosses vivo farias 86 anos. E a realidade é que ainda estás vivo dentro de nós.
Eu não era a tua neta de eleição, mas com o passar dos anos isso foi deixando de ser uma preocupação para mim. A idade sempre teve o condão de me fazer relativizar muita coisa, de superar muitos "traumas familiares" e passei a ver-te apenas como um avô carente e solitário que me ligava para ir almoçar aos fins de semana.
Nos teus últimos anos queixavas-te muito, suspiravas constantemente e perdeste toda a tua alegria de viver. Talvez por isso não tenhas lutado para ficar quando chegou a hora de partires.
Ficámos nós com a tua ausência cada vez mais palpável a cada ano que passa. Pois apesar de o tempo amainar muita coisa, adensa a sensação de não retorno. A certeza de que não voltarei a ouvir a tua voz a recitar os versos que sabias de cor, fica de pedra e cal e cai sobre nós um estranho manto de esquecimento que nos assusta, pois um dia também nós seremos esquecidos assim.
Sei que poderia ter sido uma neta melhor, mas espero que agora que estás aí, nesse sítio onde nos podes adivinhar, percebas que hoje te lembrei no dia 14 de Fevereiro e que se pudesse teria feito muita coisa diferente...

15 comentários:

McSleepy disse...

Sim... o melhor será aceitar a inevitabilidade do esquecimento a que seremos votados.
Contudo, à velocidade a que vivemos as nossa vidas, é sempre um gesto carinhoso relembrar alguém que já partiu e certamente que esse alguém sorriu, esteja onde estiver.

Ana C. disse...

McSleepy fizeste falta por aqui seu grande esquecido-dos-outros-blogueiros. A nossa vida é vivida depressa demais, tão depressa que muitas vezes nos esquecemos de nós próprios... É sempre bom parar para lembrar nem que seja apenas por um instante.

MARIINHA disse...

Linda esta homenagem Ana C. Temos de pensar, para que não nos custe tanto, que as pessoas queridas que não estão cá de certa forma ainda nos acompanham. Se isso é verdade, o teu avó ficou feliz. Bj Mariinha

Ana C. disse...

Marinha, obrigada! volta sempre :)

Polly Jean disse...

Olá Ana C.,

Os lutos custam sempre... é bom lembrar as pessoas importantes da nossa vida.

Obrigado pelo teu comentario pelosmeus lados,
Um beijinho
polly

carlostgc disse...

Um post muito sentido e a transpirar sentimentos à flor da pele.

Li-o de fio a pavio, pois fez-me lembrar o meu Avô Carlos, não pela similitude de factos, mas porque tenho imensas saudades dele.

Quanto ao esquecimento,eu já notei que ele começa a aparecer quando os nossos filhos chegam depois de eles partirem, e as fotos pouco lhes dizem nesta tenra idade (para a frente penso que as coisas invertem-se... no que será o redescobrir de muitas saudades e recordações).

Sunrise disse...

Ana C., deixei-te um prémio no meu blog :) beijocas

Ana C. disse...

Polly Jean, os lutos vão-se fazendo... Obrigada pela tua visita, volta sempre!

Ana C. disse...

Carlostgc, tens toda a razão, a minha filha chegou depois dos meus dois avós partirem, aliás, os dois foram quando eu estava à espera dela e sinto o memso que tu. Ela já não os conheceu...

Ana C. disse...

Sunrise, já vou espreitar, muito obrigada!

banita disse...

Deixei de amamentar a minha filhota no dia de anos da minha querida avó. Ela fez 5 meses, a minha avó fez 86. Infelizmente, a mina avó já não estava lúcida para ver a sua primeira bisneta e a minha filha demasiado pequena para enteder fosse o que fosse. Tive muita pena... ela morreu 12 dias depois. Infelizmente. Faz-me muita falta, essa avó...

Ana C. disse...

banita, na minha vida tem sido sempre um ganho para uma perda. É como se uns tivessem que ceder o lugar a outros. É estranho, mas tem sido assim. Por um lado torna as perdas mais fáceis de suportar...

Eumesma disse...

Sim, bonito como bonito é tudo o que escreves(aiiiiiii, que coisa mai linda escreveste lá sobre o meu oceano ás vezes tão revolto, gosteiiiiiiiiiii :-).
Já perdi tanta pessoas neste meus anos de vida (pai, avós, tias mto próximas) que sei bem do que falas...
A dor da falta que nos fazem vai se tornando cada vez mais vaga com o tempo: é assim e assim deve de ser, mas nunca esquecemos por mais tempo que passe, porque nunca vamos deixar de gostar, poderemos esquecer outros mas aqueles de quem gostamos e que "partem" nunca os esquecemos.

Tb gosto mto de vir aqui e meu marco andará por aqui (nem sempre todos os dias) mas existirá sempre "a vonatde de regresso"...
:-)

Um beijinho

Ana C. disse...

Eumesma mulher, que agora foste tu que escreveste bonito :)

Eumesma disse...

Tu inspiras-te-me, a sério...

Ás vezes só precisamos de conhecer as pessoas certas para nos darem um "empurraozinho" e fazerem vir ao cima o que de melhor cada um de nós tem (agora asim de repente ate fiquei com a mania que ás vezes até escrevo bonito eheheh)...

Obrigado por lá ires sempre para me visitar, obrigado pelas palavras que deixas, obrigado por fazeres com que tenha vontade sempre de ir escrevendo e que contribuas de uma foma positiva para eu nunca abandonar aquele canto..
No fundo obrigado por te teres cruzado cmg neste mundo virtual...:-)