quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Histórias de Amor


Sempre gostei de histórias de amor. Intensas, apagadas, tímidas, audazes, daquelas que começam com um olhar, ou que terminam só com o primeiro beijo.
Histórias de amor arrebatadoras, banais, quotidianas, ou excêntricas.
Histórias de amor à distância, de amor que se perde, que se acaba, que se conquista, que se ganha. Histórias de amor destinado, de amor marcado, vencido, vencedor.
Para mim basta que seja uma história de amor. Boa, ou não, depois decidirei.
Mas para já assumo apenas que gosto delas, sem pudores, sem medo de ser rotulada de cor-de-rosa, romântica incorrigível, ultra sensível.
Porque os 30 trouxeram-me o melhor dos presentes: O Descomplexamento (acho que acabei de inventar uma palavra), para assumir que choro num filme, que me comovo com uma música, que me arrepio de emoção quando vejo um abraço entre duas pessoas que se reconciliam.
Por algum motivo que ainda não consegui explicar, as histórias que mais me tocam são aquelas que terminam quando o amor ainda não pôde ser totalmente expandido. Ficam pelo princípio de tudo, talvez por isso sejam perfeitas, sem mácula e cheias de um mundo de possibilidades que não puderam conhecer-se.
As Grandes Histórias de Amor serão sempre o meu motor de vida, porque acredito hoje e para sempre que o amor é mesmo capaz de mover montanhas. O amor por um homem, por um filho, por um irmão, por um amigo, por um trabalho é a grande resposta para tudo na minha vida.

13 comentários:

JS disse...

Eu também me pelo por uma boa história de amor, choro até aos soluços a ver um filme, numa despedida num aeroporto, sem problema absolutamente nenhum...deve ser esse "descomplexamento" que os trinta nos dão...ainda bem. Fizeste-me lembrar As Pontes de Madison County...

Ana C. disse...

JS, essa é uma das grandes, para não dizer, a maior das histórias de amor...

Cristina disse...

Também adorei o filme e a história de amor...
Identifico-me muito com o que escreveste. Sou mesmo uma romântica incorrigível embora a vida me tenha dado algumas boas lições... LOL

Cristina

Brisa disse...

Engraçado, o teu post também me fez lembrar As Pontes. Talvez porque tenha sido o filme com a história de amor mais bonita que já vi - não por terminar mal, mas pela definição do próprio amor: não é a fusão de dois mundos, mas a criação de um terceiro no qual se juntam os dois amantes. E isto diz muita coisa.

Ana C. disse...

Cristina, a verdadeira romântica, por muitas decepções que tenha, continua sempre a acreditar que vai acontecer :)

Ana C. disse...

Brisa, há uma frase nas Pontes que nunca esqueci e que diz mais ou menos isto: Aquilo que tinhamos não podia durar se continuasse e aquilo que tinha com o meu marido, desapareceria quando nos afastássemos...

Moura Aveirense disse...

Descobri por acaso este seu canto e fiquei com vontade de regressar no futuro :)

Saudações, Moura Aveirese

Ana C. disse...

Moura em Aveiro volta sempre por favor :)

Sunrise disse...

Tudo na vida deve ter amor à mistura. Só assim é que elas têm sabor. Infelizmente, nós humanos, temos muitas vezes o dom de estragar esse encanto maravilhoso. Adoro estar apaixonada e que estejam apaixonados por mim (ao menos sou sincera LOL). When it will happen? Let see...

Ana C. disse...

Sunrise, fazes bem. Nada como viver de amor e por amor... Mas às vezes a paixão nunca chega aos calcanhares de um verdadeiro amor.

kel disse...

Obrigada Ana... Às vezes precisamos mesmo saber que ainda fazemos sentido... ajuda a manter a sanidade.

Gosto deste texto (entre outros)... Não sei se sou romântica ou não, sei que tenho a necessidade de estar permanentemente apaixanada, não apenas por pessoas mas pela vida, pelos livros, por projectos... Quando não me sinto assim, fico perdida e a motivação desvanece.

O amor é a resposta para tudo na vida, sem dúvida!

Bjos*

Eumesma disse...

Pronto, disseste tudo...

Nada mais há a acrescentar...

"
As Grandes Histórias de Amor serão sempre o meu motor de vida, porque acredito hoje e para sempre que o amor é mesmo capaz de mover montanhas. O amor por um homem, por um filho, por um irmão, por um amigo, por um trabalho é a grande resposta para tudo na minha vida.


Eu diria exactamente o mesmo ( conseguisse escrever como tu..:-)

Ana C. disse...

Eumesma, acho que o amor é o motor de vida de muitas pessoas. Ou se não é, deveria ser...