quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Onde Está o Amor


Está na tua mão quente que cabe dentro da minha quando tens medo.
Está na tua voz quando me chamas de manhã.
Está nos teus passos que se dirigem a mim e que me apanham sempre de surpresa, pois ainda não acredito que caminhas na minha direcção, talvez por nunca ter pensado poder ser o destino tão seguro de alguém.
Está nos teus braços que me envolvem com a força que só um amor genuíno tem.
Está no calor do teu corpo quando acordas e que me faz querer deitar-me ao teu lado, como se esse fosse o único lugar onde pudesse estar.
Está nas tuas palavras despropositadas, ou tão cheias de propósito que me dizem tanto.
O Amor está no teu sorriso que me faz ter a certeza de que estou a fazer a coisa certa e que me faz esquecer de tudo o que não importa.
Tu és a minha vontade de regresso, de regresso ao amor. E no final é só isso que importa, absolutamente mais nada.
Obrigada filha por me teres ensinado a regressar quando me perco.

16 comentários:

Sunrise disse...

Uma filha é o bem mais precioso que podemos ter. Não tenho filhos, nem faz dos meus planos ser mãe tão cedo (até porque nem tenho um pai para essa criança!!! LOL), mas acho que quando tiver uma criança vai ser um momento mágico. É um pedaço de nós que vai perdurar no tempo quando nós nos formos embora.

Ana C. disse...

Sunrise, cada vez tenho mais a certeza de que é a espécie de amor mais incondicional a altruista que existe. Não tenhas pressa, hás-de ser mãe quando tiveres que ser, se tiveres que ser e com quem tiver que ser:)

Joanissima disse...

Emocionaste-me até às lágrimas.

Rainha Mãe disse...

Lindo, lindo, lindo! Penso que não conseguimos entender por completo a grandeza deste amor até sermos mães. E tu consegues descreve-le com a beleza que ele merece.

Ana C. disse...

Joaníssima, isso é porque também és mãe...

Ana C. disse...

Rainha mãe, não podia concordar mais contigo. Eu achava que era tudo um exagero pegado, mas só agora começo a perceber a dimensão deste amor. Acho que é o único amor verdadeiramente altruista que existe.

Brisa disse...

Cada palavra deste post define precisamente o que tenho sentido nestes últimos dias. Este é o tipo de amor que nos salva.

Ana C. disse...

Brisa acredita que sim. Quando tudo o resto falha é aqui mesmo que temos que regressar. A este amor.

Eumesma disse...

Não tenho filhos nem penso os já vir a ter.
No entanto consigo imaginar o que será isso,e ainda que não o conseguisse imaginar tu acabaste de o mostrar aqui mesmo...:-)
E pronto, para quê mais palavras...??
Fiquei um cadinho como a menina Joana.

Bjs

P.S. E será mais um post para o dia o mostrares á destinatária :-).

Ana C. disse...

Eumesma, não gosto nada de estar sempre a falar da maternidade e a esfregar na cara de toda a gente como é bom etc e tal. Mas há mesmo coisas que só se sentem uma vez na vida e até eu fiquei surpreendida com esta coisa chamada amor maternal.

KILGORE disse...

Difícil de sentir, mas fácil de acreditar, que assim é:)

Ana C. disse...

kilgore, podes acreditar que assim é :)

Eumesma disse...

Ora, miuda, (e esta posso te chamar ehehe??) não esfregaste isso na cara de ninguém, pelo menos na minha não...:-)
Qd disse que não teria filhos, é mesmo porque ( e para lém de outras razões) não os quero mesmo ter (opções de vida..)
Não te sintas nunca mal por aquilo que escreves aqui, escreves de uma forma sempre tão doçe, tão terna... :-).
Ok?? ;-)

Ana C. disse...

Eumesma, nunca me vou sentir mal por aquilo que aqui escrevo. Só não gosto de ser uma daquelas mães um bocadinho enjoativas que não falam de outra coisa :)

Undutchable disse...

Quando for mamã quero saber dedicar tão belas palavras à pessoa que saiu dentro de mim.

Ana C. disse...

Undutchable, quando fores mãe vais arranjar maneira de fazer poesia :)