sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Caixa de Memórias


Quando era pequena sempre quis fazer uma daquelas "cápsulas do tempo", onde colocaria as coisas mais importantes para mim naquele momento e passados muitos anos, quando a desenterrasse, poderia rever tudo aquilo que importava na altura. Nunca fiz a tal cápsula do tempo, talvez porque não tinha onde a enterrar, mas tenho uma caixa onde guardo pequenas coisas que significaram muito para mim.
Seleccionei estas para partilhar aqui. Aquelas que hoje me fizeram sorrir:
O meu primeiro relógio. Oferecido pelo meu pai depois de uma crise de choro por a minha irmã ter um e eu não ter.
A primeira flor que o meu marido me ofereceu, quando ainda éramos apenas amigos e ele apareceu para jantar com uma garrafa de vinho e uma rosa amarela e cheio de segundas intenções.
O primeiro e-mail que ele me escreveu e que eu imprimi religiosamente.
A rolha de champanhe francês que abri no dia em que terminei o meu curso.
O meu primeiro caderno de escrita elegante (antes deste escrevia onde calhava).
E um dos meus tesouros de eleição. Um postal do António Alçada Baptista, que fui ler no dia em que soube que ele tinha morrido.
Todos nós devíamos ter uma caixa de tesouros que pudéssemos abrir quando nos sentíssemos mais perdidos e unirmos os retalhos da nossa vida, fazendo sentido de tudo aquilo porque já passámos.
Todos nós temos as nossas memórias, todos nós fomos especiais para alguém numa qualquer altura. Porque não lembrá-lo de vez em quando?

16 comentários:

McSleepy disse...

Não tenho por hábito guardar objectos. Contudo, de vez em quando, enquanto procuro algo lá "desenterro" objectos dos quais já nem me lembrava. O último foi a minha 1ª máquina fotográfica. O meu pai ofereceu-ma num dos meus aniversários (10º??) e como aquele objecto actualmente obsoleto me trouxe tantas memórias!

Sunrise disse...

Sim, recordar é viver. Há uma música com esse nome e tudo. Gostava de ter um baú onde pudesse guardar coisas só minhas e nunca ninguém o abrisse. O meu pequeno tesouro de informação preciosa só para mim.

Ana C. disse...

McSleepy, detesto guardar tralha. Mas uma caixinha com recordações que nos fazem caminhar pelo tempo, não dispenso :) vê lá se a tua máquina pré-histórica não te fez sorrir.

Ana C. disse...

Sunrise, não é uma música do Marco Paulo? Eh eh. Agora a sério, é tão bom tirar da caixa bocadinhos da nossa vida e pensarmos nas situações que lhes deram origem...

AnaMoreira disse...

Eu também tenho uma caixinha, onde guardo coisinhas que, por qualquer motivo, foram importantes, simbólicas, com um significado especial e gosto de a abrir de quando em quando..sabe bem reviver momentos e sorrir ao sabor das lembranças :)

Bjs*

Ana C. disse...

Ana és cá das minhas. Aliás, não és caranguejo? (está no teu perfil) só podias com uma caixinha de memórias...

Sílvia disse...

Eu tenho uma com as coisas mais estúpidas que se possa imaginar mas que para mim têm todo o significado, como bilhetes de concertos, postais oferecidos pelos amigos, as fotos não podiam faltar, até uma pedra da praia oferecida por uma amiga a minha caixinha tem... E sabe tão bem abri-la de vez em quando e recordar bons momentos...

bjinho***

Joanissima disse...

eu tenho uma caixinha dessas,tambem.
tem pedras (muitas), dois livros (em edição de bolso), uma caneta, um gafanhoto seco (don't ask) e um ouriço de castanha.

E fotografias.

E mais umas quantas coisas que não posso dizer.

E há mais de dez anos que não a abro nem a acrescento.

Ana C. disse...

Sílvia, bilhetes de cinema e de concertos também estão na minha :) É bom ver que não sou a única.

Ana C. disse...

Joaníssima desculpa mas tenho que ask: UM GAFANHOTO SECO????? Eu até tinha medo de abrir uma caixa com um bicho desses lá dentro e se ele ressuscita e te come as recordações todas?

MARIINHA disse...

Não sou muito dada a guardar esse tipo de recordações. Faço uma excepção para uma colecção de postais(de cá e do estrangeiro) das várias terras por onde passámos nas viagens que fiz com a pessoa amada.Hoje não me faz bem olhar para aquilo,fico angustiada mas não sou capaz de deitar fora. É verdade, quero dizer-te que gostei do post.Bj

Ana C. disse...

Marinha, está na altura de fazeres uma limpeza a essas recordações. Atenção, guarda só o que valer a pena :) A minha caixa já levou várias razias...

Clementine Tangerina disse...

Essas caixinhas guardam verdadeiros tesourinhos...tenho postais que me enviaram de 1985, coisas fantasticas!

Ana C. disse...

Clementine, mas adorava ter uma caixinha igual ao baú feito pela tua mãe, está maravilhoso :)

Eumesma disse...

Não tenho nenhuma caixinha dessas, tenho varias caixinhas no meu imaginário :-), porque aqui dentro dos neurónios tudo é mais organizado (tenho como um grande feito ser bastante desorganizada desorganizada em casa), mas acho mto engraçado quem as tem...
Abrir anos dps e estar lá tudo e lembrarmo-nos de coisas boas, é bom sim...:-)

Ana C. disse...

Eumesma não tens uma, tens que arranjar...