quarta-feira, 4 de março de 2009

O Teu Olhar


Quando sorris para mim com os teus olhos rasgados vês-me como a pessoa mais importante da tua vida, vês-me como jamais imaginei que alguém me fosse ver.
Porque nós somos tanto pelos olhos alheios, pelos teus olhos aprendi a gostar mais de mim, a ver-me com uma importância que nunca pensei ter.
Quando penso que não podia ser mais incompleta a tua voz completa-me dizendo que me adoras.
Quando penso que não podia estar mais calada por dentro e por fora, tu obrigas-me a arrancar as palavras de dentro de mim e a formar verdadeiras declarações de amor.
Quando só quero fechar os olhos e deixar de sentir por um segundo apenas, tu puxas-me a mão e obrigas-me a olhar para ti e quando isso acontece vejo-me através dos teus olhos e sinto que fiz uma coisa certa na minha vida. Tive-te a ti.
Obrigada por me teres ensinado a amar-me através do teu olhar minha filha.

12 comentários:

Rainha Mãe disse...

E por elas tornamo-nos melhores. Mostramo-nos fortes, mesmo quando temos medo, contentes, mesmo quando estamos tristes. E não existe amor igual!

Cristina disse...

:) É uma vida nova, com um significado bem diferente!

Cristina

Ana C. disse...

Rainha Mãe, quantas vezes, por amor a ela já rasguei um sorriso quando morria de vontade de chorar...

Ana C. disse...

Cristina, é mesmo uma outra vida em que nós deixamos de ser as protagonistas, não é?
Bjs

Precis Almana disse...

Compreendo totalmente o que dizes, mesmo sem ter sido mãe.
Por isso considero algo injusto quando dizem que não há amor igual. Talvez não haja de criança para os pais, aceito; mas há de adultos para crianças, porque eu amo tanto os meus sobrinhos quanto sei que amaria os filhos, aqueles que também sei que já não vou ter. Talvez seja por isso? Não sei. Mas não imagino gostar mais de outra pessoa qualquer do que gosto dos meus sobrinhos gémeos (e tenho mais dois, por isso também não é aquela coisa do "amar sobrinhos não é a mesma coisa").

Ana C. disse...

Precis eu acho que não há forma de amor mais pura e genuína do que aquela que sentimos por crianças. E vermo-nos através do olhar delas é algo que me vai sempre deixar comovida, como também te deve deixar a ti...

banita disse...

Lindo texto! E muito verdadeiro, também!Sinto o mesmo

Ana C. disse...

Obrigada banita, penso que há muitas mulheres a sentirem o mesmo, felizmente :)

Kitty disse...

És uma mãe linda Ana. Adoro a forma como te entregas à tua filha.
Fico de lagriminha no olho a ler estes teus simples, mas tão gradiosos sentimentos :)

Kitty

Ana C. disse...

Kitty, muito obrigada pelas tuas palavras. Eu sou uma mãe normal, que se aborrece muitas vezes com ela, que respira fundo para não se enervar como tantas outras mães. Mas regra geral a minha filha é a minha inspiração diária e só me apetece escrever para ela :)

MARIINHA disse...

Pelos nossos filhos sentimos um amor total, rimo-nos se eles riam, choramos se eles sofrem.Queríamos se pudesse ser sofrermos nós em seu lugar. Quantas vezes penso, o que seria de mim sem os meus? Comoves-me sempre quando falas no teu amor pela tua filha. Beijinho

Ana C. disse...

Mariinha, de cada vez que olho a minha filha adormecida, comovo-me todos os dias. É incrível. Obrigada pelas tuas palavras