quarta-feira, 15 de abril de 2009

Uma Mãe Será Sempre uma Mãe

Lá porque a minha mãe espreita o meu blog não é por isso que vou deixar de escrever sobre ela. Afinal de contas é uma personagem digna de nota, como todas as mães do mundo.
Esqueçam tudo o que pensam que sabem sobre freeks da limpeza. Porque tudo o que já possam ter lido, ou visto em algum lugar não chegará nunca ao patamar do que a minha mãe considera limpo.
Se estou sentada na cozinha lá de casa a beber um copo com água, basta-me pousar o copo por breves instantes, segundos apenas, que quando me viro para lhe voltar a pegar, o copo já desapareceu para dentro da máquina de forma silenciosa e misteriosa.
Ainda mal terminei a refeição, já o prato e tudo o que o rodeava foi varrido da superfície da terra a uma velocidade acima do cagajésimo de segundo. Nem tenho tempo de cruzar os talheres. Por vezes sinto que se não tiver cuidado, ela me envolve em papel aderente e armazena-me na prateleira dos frescos, mesmo ao lado das saladas no frigorífico.
Quando era pequena lembro-me do mistério que envolvia o desaparecimento dos meus brinquedos para um qualquer lugar de onde nunca mais regressavam. Só mais tarde percebi que esse lugar escuro e frio, longe de mim, mais não era do que o contentor do lixo, bem mais acolhedor para bonecos sujos e velhos.
À medida que os anos foram passando fui-me resignando ao facto de que a mania nunca iria passar, mas como já não vivíamos na mesma casa, tudo se tornou perfeitamente tolerável. Aceitei-a, tal como ela me aceitou a mim com todas as minhas casmurrices, maus humores e afins.
Até ao dia em que... Até me custa contar isto. Mas até ao dia em que descobri que o vestido de noiva que lhe pedira para mandar limpar e guardar em casa dela, tinha levado o mesmo destino que os brinquedos da minha infância.
Com o sorriso mais plácido do mundo e o ar mais natural que um rosto pode expressar respondeu-me, quando inquirida sobre o mesmo:
- Para que é que o querias guardar? Não tencionas voltar a casar, pois não?
Acho que pela primeira vez na minha vida fiquei sem resposta.

37 comentários:

MARIINHA disse...

Ana C. deves ter ficado verde ou roxa, não sei. Eu sou muito amiga de deitar tudo fora,é verdade, mas não chego aos pés da tua mãe. O vestido de noiva está ainda guardado, não sei para quê, mas está.Beijokas

Sílvia disse...

Ai não sei se rio não sei se choro lool. Isso é daquelas coisas que as mulheres gostam de guardar sempre não (digo eu que nunca me casei =/)

bjo***

Cristina disse...

LOL. É preciso não gostar mesmo de coisas usadas ou sujas... É de ficar mesmo sem palavras...

Cristina

Poetic GIRL - BELA disse...

Realmente mesmo que pensasses em voltar a casar, duvido que quisesses usar o mesmo vestido... :) mas daí a deitar fora, realmente.... presumo então que tua mãe não guarda o dela também? A minha mãe apesar de viúva há doze anos ainda não se desfez do dela, acho que é daquelas coisas que devem permanecer sempre conosco... pelo menos é o que eu acho... mas agora não penses demasiado nisso, já não há nada que possas fazer... beijokas

Melissinha disse...

HAHAHAHA.
Pá, PAGAVA OUTRO!!!!

(a tua mãe ia morrer cá em casa. Para teres uma ideia, o meu vestido de noiva ainda tá no mesmo saco do Jumbo que voltou do hotel.)

Melissinha disse...

Se quiseres, dou-lhe bons links de vendas de coisas em 2a mão, sempre fazem uns trocos. Reciclar é o que está a dar.

Ana C. disse...

Mariinha eu também sou amiga de deitar fora. Uma vez por ano faço razias brutais no meu armário. Detesto tralha, roupa que nunca visto acumulada durante anos. Mas um vestido de noiva????? Haja muita serenidade para não ter um AVC.

Ana C. disse...

Sílvia eu nem sou nada desse género de ir desenterrar o vestido para impingir à minha filha, ou coisa que o valha. Mas se alguém o poderia deitar fora, esse alguém seria eu, entendes? Que abuso!!!!!

Ana C. disse...

Cristina estou muda até hoje...

Ana C. disse...

Bela realmente o melhor é não pensar mais nisso senão fico maluca. Mas às vezes dá-me forte e a indignação sobe por mim acima como uma corrente incontrolável...

Ana C. disse...

Melissa a sorte dela é que foi ela que me pagou o vestido. Olha queres ver que foi por causa disso que se achou no direito de fazer com ele o que bem entendesse? Mas onde é que eu tinha a cabeça quando lhe pedi para o guardar???? Sou muito parva mesmo. Mãe não muda.

Melissinha disse...

Deixa tar, a minha era pior. Dizem que o bebé leva 6 meses a perceber que a mãe não faz parte dele próprio, bem, nem 27 anos deram essa noção à minha. Entrava no meu quarto no meio de uma discussão telefónica com o Hugo e desatava aos berros também como se fosse uma extensão de mim, perfeitamente integrada na pendenga. Parecíamos saídos dum filme do Kusturica.

Ana Paula disse...

Fiquei sem palavras...
A sério.
É corajosa ela.

KILGORE disse...

Faz o mesmo ao dela, para ver se gosta:)
(Just Joking) PEACE:)

Ana C. disse...

Melissa 6 meses???? Ah AH AH

Ana C. disse...

Ana Paula não diria corajosa, mas latosa mesmo. Uma lata gigantesca!!!!

Ana C. disse...

Kilgore depois de leres este texto ainda acreditas no Pai Natal? Ou seja, ainda acreditas que a minha mãe tem o vestido dela guardado?

Brisa disse...

Ai, eu acho que lhe dava um berro... E não conseguiria perdoar nunca!

Melissinha disse...

O meu bebé é um independentão!

Miguel disse...

Gosto. Pensamento prático e pragmático!!! Nem parece de mulher!

Ana C. disse...

Brisa tu não me digas isso, não me instigues que eu preciso que me relativizem a coisa ;)

Ana C. disse...

Miguel Gajos, puffff!!! Não digas mais nada que a minha mãe ainda lê e acha que estava coberta de razão.

JS disse...

Com todo o respeito, eu deserdava-a!!!

Pedro Barata disse...

Lolololol Respondeu-te bem!
Beijinhos

Ana C. disse...

JS Eu é que a deserdo? AH AH AH AH AH

Ana C. disse...

Pedro respondeu-me bem????? Ai sim??????

Banita disse...

Eu acho que tinha largado a chorar... Gosto tanto, mas tanto de meu vestido de noiva!! Até tenho a secreta esperança de que a Banitita (ou outra filha) ainda o possa vir a usar...
Tinha-me dado um grande fanico!!

Ana C. disse...

Banita então ainda bem que a tua mãe não é das que deita tudo fora...

socasmoinhosebicicletas disse...

Finalmente encontrei uma mãe que consegue superar a minha! Ah ah ah ah ah! E eu que estava convencida que mais desperate housewife que ela não existia.

Precis Almana disse...

Depois de ficar muda da primeira vez que li o post, e de não comentar, venho aqui e, para não insistir no que já todos disseram, digo-te que a minha, é ao contrário, guarda tudo... A caixa do telemóvel deitou-a fora há pouco tempo porque eu insisti que ela já não precisava. É que o telemóvel tem quase 3 anos e a caixa continuava num canto da sala...

JS disse...

Éo que eu digo à minha, quando ela me faz asneiras!!!

- Maria Alice, qualquer dia deserdo-te!!!! Ela adora ouvir...

Izzie disse...

MEU DEUS...
eu acho que a fazia virar e revirar os contentores todos da cidade e arredores, mais os camiões do lixo e as fábricas de tratamento, até o recuperar:)

Eu sou adepta de não deitar nada fora, custa me muito desprender das coisas!

Feitios!

Ana C. disse...

Socas a minha mãe consegue superar qualquer uma no que toca a limpezas. E eu só contei aqui um pequeno filme...

Ana C. disse...

Precis no meio é que está a virtude. Também não gostava muito que ela não deitasse nada fora ;)

Ana C. disse...

Izzie não valia a pena. Eu só descobri muito depois de ela o ter feito... Eu também não sou adepta de guardar muitas coisas, mas eu é que tenho que decidir para onde é que as MINHAS coisinhas vão...

Tasha disse...

Eu fiz o mesmo, mas com o vestido da minha mae... Tao lindos que ficaram os vestidinhos para a Nancy....

Ana C. disse...

Tasha AH AH AH AH AH AH
Vestidinhos para a Nancy? Ao menos que o meu tivesse levado esse destino...